Está aqui

Tradição

BONECOS DE SANTO ALEIXO CELEBRAM TEATRO COM PORTA ABERTA

As tradicionais marionetas alentejanas, “Os Bonecos de Santo Aleixo” querem celebrar Dia Mundial do Teatro, amanhã e querem fazê-lo consigo.

Para tal, o Teatro Garcia de Resende, em Évora, receberá o espetáculo o 'Auto da Criação do Mundo”, pelas 21:30h, e que terá entrada gratuita, numa iniciativa do Cendrev - Centro Dramático de Évora.

 

Imagem de lifestyle.sapo.pt

ROMARIA MOITA-VIANA DO ALENTEJO JÁ TEM DATA

Será entre 26 e 30 de abril que se cumprirá a tradicional Romaria a Cavalo que liga os concelhos da Moita e Viana do Alentejo.

Esta romaria era uma tradição que trazia os lavradores da Moita, com os seus animais, ao Santuário de N.ª Sr.ª D’Aires para pedir proteção e boas colheitas e vai já para a sua 17ª edição – após um interregno de 70 anos.

Centenas de romeiros, de vários pontos do país, farão este percurso de cerca de 150 quilómetros, por uma antiga canada real conhecida por Estrada dos Espanhóis.

AZEITE MANDA NAS MESAS DE MARVÃO

A partir de amanhã, domingo dia 19, nas mesas de Marvão o azeite vai ser o rei; começa a 12ª edição do “Comidas de Azeite”, uma iniciativa que recupera receitas tradicionais do lagar.

Será pelas 15:30h, em Galegos, no Museu/Lagar Melara Picado Nunes que a inicitiva terá o seu início. Decorre até dia 5 de março, em 13 restaurantes locais, e tem por objetivo promover o azeite, dinamizar a sua promoção e atrair turistas.

Agendado para o último dia está também agendado um Mercado de Produtos Locais e um almoço convívio, em Porto da Espada.

 

GAMBOZINOS

Quando eu era novo, era caçador e pescador. Desportivo. Adorava caçar e ir à pesca. Nada me dava tanto prazer como perder-me pelos campos e nos ribeiros e rios com os amigos, à caça e à pesca. Nos campos perto de casa e mais longe, a muitos quilómetros de distância, partíamos em carrinhas cheias de gente. Grandes grupos de amigos que se juntavam aos fins-de-semana para umas boas caçadas. Muito mais do que uma caçada ou pesca, era uma oportunidade de celebrar a amizade.

PALAVRAS ANDARILHAS JÁ TÊM DATA

A 3ª edição do “Palavras Andarilhas” já tem data e, de 28 a 30 de agosto, Beja voltará a ser a capital dos contos.

O Jardim Público de Beja será novamente o centro da festa do conto, da exaltação da palavra enquanto veículo de transmissão cultural e de tradições intemporais. Os contos, quer sejam lidos, escutados ou contados têm sido, desde sempre, um grande veículo de aprendizagem coletiva.  

 

Imagem de bejayarrabaldes.blogspot.pt

ARTE E CULTURA COM ERVAS AROMÁTICAS E MEDICINAIS

São as ervas Aromáticas e Medicinais que dão o mote a um programa cultural da Escola de Ciências Sociais da Universidade de Évora e da Biblioteca da Universidade de Évora.

Até 31 de janeiro, estará patente na Biblioteca do Polo Universitário Colégio de Luís António Verney, a exposição de Fotografia de Isolina Lages; de 6 a 17 de fevereiro estarei patente na Biblioteca do Polo da Mitra.

O TALEIGO

ta·lei·go 

(árabe ta'lîqa, saco, bolsa)
 

substantivo masculino

1. Saco longo e estreito.

2. Cesto ou saco para transportar comida.

"taleigos", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, https://www.priberam.pt/dlpo/taleigos [consultado em 05-01-2017].

 

ÉVORA VAI CANTAR AS JANEIRAS

Vão ser dezoito grupos corais do concelho de Évora que vão cantar as tradicionais Janeiras, no dia de Reis, a 6 de janeiro.

A partir das 18 horas do dia 6, nos Bairros da Malagueira, Horta das Figueiras, Torregela, Frei Aleixo, Louredo, Degebe, Santo António, Bacelo, Urbanização da Cartuxa, António Sérgio, Casinha, Senhora da Saúde e Canaviais, serão vários os grupos corais, polifónicos, instrumentais e até uma orquestra filarmónica que irão dar as boas vindas ao novo ano.

O BAILE DAS VÉSPERAS

Véspera de Natal. Sábado, dia 24 de dezembro de há muitos anos atrás. A noite caía cedo nessas alturas, aliado ao facto de não haver eletricidade e, portanto, sem qualquer luz artificial. Via-se apenas aquilo que a Lua e as estrelas alumiavam, lá de cima do céu, quando este estava aberto. Quando estava nublado ou chovia, era o breu completo e andávamos todos aos pontapés com as pedras e com as moitas na beira dos caminhos de cabra que existiam nessa altura.

O MISTÉRIO DO GRILO QUE NÃO FAZIA BARULHO

Encontraram-se perto da meia-noite, junto do aquário, atrás do parque da cidade, às escuras para não dar muito nas vistas em relação ao propósito do seu encontro. Não, não era nada disso que estão já a pensar. Não se iam encontrar para conspirar nem para fazer poucas vergonhas. Isso não era história para ser contada aqui, nem haveria tempo de desenvolver todo o enredo… só eles sabiam o que se poderia dizer… Nas mãos, lanternas a pilhas, na cabeça, gorro e cachecol a tapar a cabeça. Iam preparados para qualquer eventualidade.

Páginas