Está aqui

Artigos publicados

III. O outro lado da porta

Amaro fez a barba com uma máquina usada e enferrujada que usava uma vez por semana. Os pelos tinham-se tornado demasiado resistentes àquela velha máquina. Deixou-lhe a cara marcada de feridas e áreas em que os pelos teimaram em ficar. Ficaria um pouco melhor do que aquilo que estava antes. Pousou a máquina em cima do lavatório e não mais se lembrou dela. Amaro tivera sempre uma relação sempre complicada com a casa de banho. Apesar de ser o sítio em que estava na intimidade consigo mesmo, em que deixava sair a imensidão de dores e a imundice.

II. Momentos após o início

Amaro continuava sentado naquela cama que o aprisionava e fazia com que se contorcesse de forma vulnerável sem que conseguisse que o seu corpo respondesse ao apelo que a mente fazia.

Quando perdemos o domínio do corpo, a mente tenta dar-lhe ordens em vão. Amaro, por todas as razões que conheço, tinha perdido o domínio do corpo. Instrumentalizava-o ainda, ligeiramente, quando se mexia. Nada era como antes, nada é como no dia anterior. Não filosofemos.

I. O início

No meio de um suspiro sôfrego, meio desencantado com a situação que se tinha instalado, Amaro levantou-se do colchão duro que o incomodava ostensivamente e inclinou-se na cama.

Pele

Transparecia, à flor de si mesma. A sensação que passava por cima era como se fosse uma centopeia que passava e que a arrepiava. Perdia-se, diariamente, num universo tão povoado, repleto de tantas cores, castanhas, castanhas mais escuras, castanhas mais claras, quase brancas, amarelas, vermelhas, e nenhuma era diferente, a não ser na tonalidade e em algumas nuances que as tornariam únicas.

Dona Verdade

Aquilo que dela se apoderou era tão grande, tão grande que quase perdeu a visão. Era algo que não conseguia identificar de onde surgira mas que a deixava num estado tão negativo que parecia um túnel negro que jamais teria fim. Para Dona Verdade, a luz ao fim do túnel era um conceito que não existia.

A Lage

Reza a lenda que, num sítio muito distante, numa aldeia perdida do meio da Serra do Caldeirão, concelho de Almodôvar, freguesia de São Barnabé. A aldeia chamava-se Cerro da Ursa. Nessa aldeia, vivia um homem. Este homem levava uma vida simples. Cuidava de um pequeno rebanho e tratava das suas hortas. Nos montes ao lado viviam outras pessoas, mas é dele que reza a lenda. Não sei o nome do homem, sei só como ocupava os seus dias.

Cataratas

Lá bem atrás dos montes da Serra do Caldeirão, numa umbria, onde o sol deixava que a vegetação medrasse com mais força, vivia uma família de dois idosos. Tinham sido já novos há muito tempo, quando ainda só havia a telefonia sem fios e se correspondiam as pessoas, quem sabia escrever, através de aerogramas. Nenhum deles saiba ler ou escrever e agora, nestes dias, o que mais os impressionava, era a mudança que as coisas tinham tido.

Polémica

Em início de época festiva, o peru foi há dois dias, vulgo, Thanksgiving ou Dia de Ação de Graças, e o Natal a chegar, logo a seguir, para não se perder o ritmo, começa a azáfama das pessoas, a busca intensa de coisas, a desculpa de oferecer prendas. Tudo serve de desculpa para comprar qualquer coisa, gastar uns trocados e oferecer, dar, partilhar.

Intelectual de Biblioteca

Era irrelevante discutir com aquela pessoa. Não valia a pena estar a sustentar argumentos com ela pois a validação dos mesmos era interrompida, no seguimento de uma desconstrução dialética e empírica dos silogismos. Era uma realidade epistemológica de um discurso hermético raramente visto no seio dos intelectuais que naquela avenida habitavam.

Páginas