Está aqui

Opinião

Ad Astra

Para as estrelas?

Perante Ad Astra, o mais recente filme de James Gray, corre-se um sério risco: permitir que a voluptuosidade do olhar interior que o filme convoca se deixe abater pelo aparente paradoxo científico.

O filme adopta uma orientação estranha e, em síntese, extravagante, desde as primeiras imagens. Desaba no sentido da gravidade tão rápida e intensamente quanto o defrontar / encarar permite, para dela (prontamente) se libertar para sempre (seja como força – i.e., propriedade científica -, seja como símbolo).

Hiato

Hugo andava louco naquele tempo. Naqueles dias em que nada crescia nas planícies ou nos campos imensos, Hugo sentia-se profundamente infeliz. Não creio que mesmo que viesse a chuva, deixaria de assim ser. Habitava num local perdido entre duas grandes cidades.

O nome fora-lhe dado por isso mesmo. Entre as cidades imaginárias de Heráclito e Herodia, Hugo morava no pequeno povoado de Hiato.

Liberdade, Independência, República e Educação

Hoje é 5 de outubro. Mais um. Podia este ser um dia qualquer, mas não é, e este ano, sendo o dia de reflexão que antecede mais um ato democrático, toma ainda mais relevo. E não fossem dois acontecimentos que hoje se celebram e podíamos nem ser país, nem viver em República.

A democracia portuguesa cresceu

Portugal será talvez o único país da Europa que mantém os mesmos partidos com representação parlamentar há 45 anos. Deixemos passar a exceção do Bloco de Esquerda, que ganhou representação ao juntar forças que vinham do período pós-revolução, e do PAN, que, por enquanto, se insere no grupo dos que ao longo destes 45 anos têm tentado, sempre sem sucesso duradouro, ganhar voz. Uns dirão que mostra estabilidade. Eu acredito que tenha mais a ver com estagnação e imobilismo. Os portugueses são tendencialmente avessos à mudança, e isso prejudica-nos. A Europa arrisca, comete erros, mas evolui.

Ecologismo vs Ecologismo-Parolice

No rescaldo da Cimeira do Clima 2019 no quartel general da ONU em Nova Iorque (que mais serviu para encontros entre chefes de Estado no sentido de resolver questões da ordem mundial que pouco têm a ver com a agenda climática) e das ditas greves globais pelo clima que foram acontecendo nos últimos meses paulatinamente, há considerações a retirar.

True Detective

Repetição, ‘acto de repetir’. Houve uma época em que a habilidade para concretizar efeitos de repetição era a norma pela qual se definia o autor de cinema. Prerrogativa do realizador, que fique claro. John Ford fazia sempre o mesmo filme, o que o próprio não desmentia, e ninguém lhe poupava encómios, Alfred Hitchcock só muito raramente alterava o método com o qual captava a nossa atenção. John Carpenter, com bastante sucesso crítico, ou Brian de Palma, este com pouco ou nenhum, também utilizavam sempre a mesma metodologia (Brian de Palma ainda anda por aí, John Carpenter diz que não).

Gastrologia

Chico Alfarroba dava todo um novo significado à palavra gastrologia. Nascido numa família de longa tradição de comilões, Chico Alfarroba tinha nascido completamente o oposto de toda a família. A alcunha ganhara-a por ossos do oficio. Mas disso falaremos adiante. Permiti-me caracterizar a família de Francisco António da Cruz Feliciano da Silva Guimarães Guerra e Gonçalves. A mãe e o pai tinham uma tasca no meio da vila.

Dolor y Gloria de Almodóvar

Quando se olha para a já longa carreira de Pedro Almodóvar fica a estranha sensação de que só funciona bem se encostado a dois limites: a disfunção e a 'confessionalidade'. Limites, enfim, extremos que cansam facilmente.

Falsificação

Frederico Ferreira Fernandes era falsificador de filmes, fotografias e fotocópias. Habitante de Famalicão, fazia as suas falsificações numa firma de frigoríficos. Amante de cinema, Frederico Ferreira Fernandes tinha uma vida calma e, sempre que podia, ia ao cinema ver um filme. O seu favorito era o Frankenstein. Tinha visto o filme vezes sem conta. Tantas vezes tinha Frederico feito as mesmas coisas que os vizinhos e os habitantes de Famalicão já lhe conheciam as rotinas.

Falta de visão estratégica para o Alentejo

Participei recentemente numa iniciativa organizada pela “Plataforma Alentejo – Estratégia Integrada de Acessibilidade Sustentável do Alentejo nas ligações Nacionais e Internacionais”. Na sessão desenvolvida em Évora foi realizado um importante debate sobre as acessibilidades e transportes que devem ficar inscritos no Programa Nacional da Política de Ordenamento do Território (PNPOT) e considerados no Programa Nacional de Investimentos - PNI 2030. Uma iniciativa notável!

Páginas