Está aqui

Opinião

Twin Peaks

Alguém que admiro, digo apenas que é um devoto de Madonna (provavelmente a ligação directa à adolescência que o faz lidar melhor com o seu envelhecimento – mas que sei eu?), fez-me reviver esse lugar de estranhas afectividades que era o liceu de Twin Peaks, onde no meu mundo de sonhos também estudei entre Outubro de 1990 e Maio de 1991, sabendo agora que o edifício vai ser demolido.

Antes, passei, em modo delirante, pelo episódio-piloto da série, dirigido pelo meu então pai-espiritual, David Lynch (o homem que dirigira quatro anos antes o meu filme favorito, Blue Velvet).

Para ti

Estou ciente que escrevo imenso sobre ti.

Podes até estar longe, mas estás imortalizado na minha escrita.

Sacas de serapilheira em nuvens de nylon e de sonhos

No mesmo dia em que fazia 40 anos, Chico Zé amarrou um fio de nylon numa saca de serapilheira cheia de alfarrobas e abalou pelo cerro acima. Levava também consigo uma outra saca de serapilheira repleta das mesmas cordas de nylon que o lugar que subia era tão alto que as nuvens se acomodavam a meio e o que estava acima disso, poucos tinham sido os que conseguiram ver. Ambas as sacas iam também cheias de sonhos.

A tradição já não é o que era

Sim, a tradição já não é o que era. Há muitos motivos que demonstram que a tradição mudou.

Recentemente discutiram-se na Câmara Municipal de Évora e na Assembleia Municipal de Évora os documentos previsionais para 2020, nomeadamente o Orçamento e as Grandes Opções do Plano (GOP).

Como a CDU não tem a maioria absoluta na Assembleia Municipal, necessita de negociar com outros partidos no sentido de viabilizar os referidos documentos previsionais e operacionais. Nos últimos 2 anos os documentos previsionais foram viabilizados pelo Partido Socialista (PS).

1914: Quando o Natal parou a guerra e se jogou futebol

Em plena Primeira Guerra Mundial, em dezembro de 1914, o espírito do Natal, do Humano, por uns dias, levou a melhor sobre a guerra, sobre as diferenças e, nas trincheiras, a guerra parou para dar lugar à comemoração do Natal. Em dezembro de 1914, suspendeu-se a guerra por umas horas e os soldados de ambos os lados das trincheiras voltaram a ser apenas civis.

O meu Natal

O cheiro a rabanadas nada dentro do meu nariz suavemente. As músicas de Natal, entoam na minha mente, acalmando-me. Sou facilmente embrulhada no calor transmitido pela lareira. A manta amarela da minha avó, agarra-me fortemente, como se fosse ela a dar um abraço. As luzes da árvore brilham tão agressivamente que chegam a fazer reflexo nas minhas lentes dos óculos.

Lanço um suspiro.

É  Natal.

Não há nada mais Natal que isto.

Elza Soares

Tem, eventualmente, 82 anos, pois as fontes divergem (alternam entre os 82 e os 89 anos).

Teve 8 filhos de parto natural (6 rapazes e 2 raparigas), dos quais perdeu 4, 2 recém-nascidos por malnutrição, 1 ainda criança, aos 9 anos, e outro com 59 anos.

Niilismo-Invicta

Século XXI: vigésimo primeiro século da Era Comum. Ainda somos nós, jovens, a salvação da nossa própria geração? Temos ossos frios e frágeis, são de vidro.

Este Natal seja Catarina e sinta o poder

Disse o líder da igreja católica, o papa Francisco, “Estamos perto do Natal: haverá luzes, festas, árvores iluminadas, presépios… mas é uma farsa. O mundo continua a fazer as guerras. Não escolheu o caminho da paz.”

Gosto do Natal. As cores, os sons e até os cheiros do Natal despertam sentimentos de positivo e de fraternidade numa sociedade cada vez mais macambúzia. As pessoas saem à rua e disfrutam, em muitas localidades, da cor e das tradicionais músicas da época. A solidariedade cresce, as pessoas lembram-se que são humanas e são-no mais.

Mais do que a letra M

Muito mais do que a letra M, esta semana, o texto que aqui se escreve representa um elogio rasgado às pessoas cujo nome começa com a letra M, às terras que se iniciam por esta mesma letra e especialmente aos alimentos e aos produtos que também começam pelo mesmo carácter. Digamos… Medronho.

Páginas