Está aqui

Empresas

Egos, eficiência, comunicação, conflitos - John Buck traz a Sociocracia a Montemor-o-Novo

A 6 e 7 de dezembro, em Montemor-o-Novo, John Buck vai dar a formação “Introdução à Sociocracia” que explorará questões como a eficiência, comunicação, responsabilização, identificação e alinhamento de ideais para projetos, práticas financeiras sustentáveis, inovação ambiental, aprendizagem pela ação, mas também conflitos, confrontos de egos, emoções que surgem quando tentamos trabalhar juntos.

Será uma iniciativa que terá ainda um espaço para discutir experiências e possíveis aplicações dos conceitos aprendidos nas empresas e entidades que estejam presentes.

Tecido empresarial de Évora e esmagadoramente feito por micro empresas

As micro empresas representam 89,2% do tecido empresarial do distrito de Évora, são responsáveis por 25% do volume de negócios e empregam 47% da força de trabalho.

No total, as micro, pequenas e médias empresas (PME) constituem 99,9% do tecido empresarial do distrito, são responsáveis por 93% das vendas e serviços e empregam 96% do total de recursos humanos – mais de 21 mil colaboradores. A indústria transformadora é, simultaneamente, a que movimenta mais dinheiro e emprega mais pessoas.

Alentejo promove-se na Índia

O Alentejo está a promover-se na Índia, numa missão que pretende promover o contacto com potenciais investidores de forma a reforçar o ecossistema de inovação no Alentejo.

Durante 6 dias, no âmbito do projeto Alentejo Global Invest – financiando pelo prorama operacional Alentejo 2020 - e que tem o seu foco nos setores da inovação e das tecnologias de informação, esta missão tem o seu principal objetivo na promoção de contactos com potenciais investidores, startups, entidades e empresas, cujos serviços possam vir a reforçar o tecido empresarial alentejano na área da inovação.

Évora recordista na criação de novas empresas

Segundo um relatório da Iberinform, a mutinacional de créditos e seguros, o espírito empreender nacional está em alta já que a abertura de novas empresas no primeiro mês de 2019 teve um impulso de 19,8% face ao período homólogo de 2018. “O ano arrancou com 6.333 novas empresas constituídas versus 5.288 em janeiro do ano passado” refere aquela analista.

Tecido empresarial cresce em Évora e diminui em Beja e Portalegre

Um relatório da multinacional Iberinform – uma empresa especializada na gestão de risco, prospeção e cobrança - o tecido empresarial cresceu em Évora e diminuiu em Beja e Portalegre, em 2018.

O crescimento do distrito de Évora situa-se nos 7,3%, o que significa um aumento de quase seis centenas de empresas, 571. No cômputo entre empresas que abriram e outras que cessaram, o que os números registam são trinta e nove novas empresas, face a 2017.

Viana do Alentejo mantém IMI no mínimo

A Câmara de Viana do Alentejo decidiu manter a taxa mínima do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) para 2019, nos mínimos, continuando fixada em 0,3%.

A par desta percentagem, o município mantêm também os descontos no imposto a pagar para os agregados familiares com filhos, sendo a redução de 20 euros para famílias com um filho, de 40 euros para as que têm dois e de 70 euros para as que têm três ou mais filhos.

As microempresas com um volume de negócios inferior a 150 mil euros por ano estão isentas de derrama.

Depois de ouvir o Cante, os americanos querem conhecer o Alentejo

Depois de ouvir o Cante, “os americanos ficaram com vontade de conhecer o Alentejo”, como revelou o embaixador de Portugal nos Estados Unidos da América, Domingos Fezas Vital.

O Cante foi a Washington, como o Tribuna Alentejo disse a semana passada, ao abrigo do festival “Terras Sem Sombra” e deixou os americanos encantados com o Cante e com o  Alentejo em geral e dando uma boa imagem do país e um fortalecimento de relações.

ALSTONES – Uma oportunidade para o Alentejo

Decorreu, na passada quarta-feira, a apresentação pública do Projeto ALSTONES. Este evento, que irá realizar-se em Vila Viçosa, no próximo mês de julho, e que agrega sete concelhos do Alentejo Central (Vila Viçosa, Borba, Estremoz, Alandroal, Sousel, Reguengos de Monsaraz e Redondo), tem como objetivo primordial a promoção da pedra enquanto fator determinante do ponto de vista patrimonial, cultural, social económico.

Moura: fecha fábrica de painéis solares e deixa 105 no desemprego

Em Moura, o fecho de uma fábrica de painéis solares deixa 105 desempregados.

A fábrica MFS - Moura Fábrica Solar, da empresa espanhola ACCIONA – após um investimento de 10 milhões de euros - era o maior empregador privado do concelho e fecha por, segundo fonte da empresa, já não ter viabilidade económica devido ao abandono do parceiro chinês que decidiu transferir a sua produção para fábricas na Ásia após a decisão da União Europeia em eliminar as tarifas sobre a importação de painéis da China.

Aljustrel investe 5ME para apoiar empresas

São quase cinco milhões de euros aqueles que a Câmara de Aljustrel vai investir em quatro projetos de áreas de acolhimento de empresas no concelho.

Entre os investimentos encontram-se a expansão da Área de Acolhimento Empresarial e a criação do Centro de Negócios da vila de Aljustrel, orçados em 2,2 milhões de euros e de 1,1 milhões de euros, respetivamente.

A estes, juntam-se a criação da Área de Acolhimento Empresarial da vila de Ervidel, de 996 mil euros, e a requalificação da Área de Acolhimento Empresarial da aldeia de S. João de Negrilhos - 576 mil euros.

Páginas