22 Julho 2019      13:15

Está aqui

Alentejo coordena o único projecto português do programa Europa Criativa

A diretora artística de "Terras sem Sombra", Sara Fonseca.

A associação Pedra Angular, responsável pelo Festival Terras sem Sombra, viu aprovada pela União Europeia a única iniciativa coordenada por uma entidade portuguesa, no programa na área da cultura, Europa Criativa. A partir do Alentejo vai ser coordenado o único projeto português financiado, embora existam outras entidades nacionais que integram candidaturas estrangeiras, cujos projetos foram também aprovados. De coordenação nacional só este do Alentejo.

De acordo com a Agência Executiva para a Educação, o Audiovisual e a Cultura, organismo da União Europeia que gere os fundos internacionais para a cultura, foram apresentadas ao último concurso 346 candidaturas elegíveis, oriundas de todos os estados europeus, sendo seleccionadas 87 para efeitos de financiamento comunitário.

O projecto “Sound Anatomy of Unique Places – SONOTOMIA” é desenvolvido pela equipa do Terras sem Sombra em articulação com dois parceiros, ambos instituições de referência, ao nível europeu, no âmbito das artes, do património e da engenharia: a Fundación Santa María de Albarracin, do Governo de Aragão; e o Spatial Sound Institute, com sede em Budapeste, na Hungria, e actividade repartida por várias cidades alemãs, com realce para Berlim.

A identidade do património sonoro europeu

Esta iniciativa, focada no uso das tecnologias digitais para estudar e desenvolver as relações entre a música e as paisagens sonoras, incide em três ambientes específicos – rural, marítimo e urbano. O seu objectivo final visa uma abordagem bastante invulgar do património, tanto material como imaterial, através da presença envolvente da música e dos seus enquadramentos espaciais. Um âmbito pioneiro em que a engenharia acústica, por um lado, e a arte, a ciência e a natureza, por outro, se cruzam.

“Há um forte empenho da equipa de SONOTOMIA em conquistar novos públicos não só para territórios periféricos, mas também para realidades artísticas e técnicas ainda pouco acessíveis a grandes faixas do público, queremos romper fronteiras e mostrar uma Europa diferente, inspirada pelas suas identidades sonoras”, assinala José António Falcão, director-geral do Terras sem Sombra. 

A parceria luso-hispano-húngara liderada pelo Alentejo recebeu as felicitações da Comissão Europeia, o que, no que toca a Portugal, assume um sabor muito particular. Segundo o responsável pelo festival alentejano, “não foi fácil chegar a este ponto, devido à renhida disputa entre projectos fortíssimos, de diferentes pontos da geografia europeia, mas o resultado mostra como uma região do interior evoluiu, ao longo dos últimos 15 anos, e se posiciona em termos globais”. Nada disto teria sido possível sem uma rede sólida de parcerias, que dá continuidade há um trabalho iniciado pelo Terras sem Sombra em 2003, a partir das fileiras da sociedade civil, para tornar o Alentejo um destino relevante de arte e natureza.

“Trabalhamos dia a dia em articulação com os serviços descentralizados do Estado, os municípios, as universidades e os politécnicos, as instituições locais e as pessoas”, confirma José António Falcão. A colaboração com Espanha, cada vez mais intensa, tem permitido ir mais longe e ganhar escala: hoje, todas as iniciativas são articuladas com os parceiros de outro lado da raia e competem, em pé de igualdade, com as grandes rotas artísticas e culturais da Europa.

21 outras entidades portuguesas vão receber o apoio de Europa Criativa, na qualidade de parceiros de projectos coordenados por outros países. Entre tais instituições, destacam-se a Universidade do Minho, a Câmara Municipal do Porto, a EGEAC, a CULTURGEST e a Biblioteca Nacional. O valor total do financiamento europeu a Portugal, no âmbito desse programa, é de 1.304.274 euros.

 

Na imagem, a diretora artística de "Terras sem Sombra", Sara Fonseca, da EFE/ Carlos Garcia

CAPTCHA
Image CAPTCHA
Escreva o caracteres que vê na imagem do lado direito.