Está aqui

Património

Aprovada a candidatura para recuperação do Forte de Juromenha

Foi aprovada hoje a candidatura realizada pelo município do Alandroal para a recuperação da Fortaleza de Juromenha.

A Comissão Diretiva do programa operacional Alentejo 2020 aprovou hoje o financiamento comunitários de 3,5 milhões de euros de financiamento comunitário e aos quais se juntarão mais 1,2 milhões de fundos da autarquia de modo a proceder à intervenção, consolidação e restauro dos paramentos e perímetro abaluartado exterior e das cercas islâmica e medieval interior.

Moura: Convento do Carmo já conhece novos inquilinos

Já foi adjudicado o Convento do Carmo em Moura. Este é já o 9.o imóvel adjudicado ao abrigo do Programa Revive e o seu uso foi concessionado – por 50 anos - à entidade que gere o Hotel Convento do Espinheiro, em Évora, a SPPTH— Sociedade de Promoção de Projetos Turísticos e Hoteleiros.

Estremoz: interior do castelo reabilitado por unidade hoteleira

O Tribuna Alentejo avançou a notícia em agosto de 2018: a antiga Casa da Câmara ou Casa do Alcaide-Mor, em Estremoz, tinha sido vendida em hasta pública à Sociedade Agrícola Monte das Barrocas, por 180 mil euros. Após uma primeira venda a uma empresa norte-americana e que acabou anulada, a Câmara Municipal de Estremoz decidiu levá-la a novo leilão sendo vendida à empresa sediada no concelho..

Avançava-se, à data, que o edifício de estilo manuelino, classificado como monumento nacional desde 1924, em ruínas há várias décadas, viria a ser um hotel de charme.

35 M/€ criam hotéis de topo em Borba e Vila Viçosa

Borba e Vila Viçosa vão ter dois novos hotéis de topo e que vão aumentar a variedade hoteleira da zona dos mármores num investimento de cerca de 35 milhões de euros.

Em Borba, o investimento – por parte da empresa portuense "Aureum Group" - ronda os 10 milhões de euros e pretende transformar o antigo convento das Servas num hotel de cinco estrelas e que pretende ter uma ligação com uma das maiores tradições locais: o vinho.

O Alentejo vai estar gravado a 3 dimensões

O património cultural do Alentejo vai ser registado em 3 dimensões.

A iniciativa pertence a uma organização não governamental (ONG) norte-americana “Global Digital Heritage” e decorre desde dia 6 até 24 de abril.

O palco da iniciativa será o Alentejo Central e o Baixo Alentejo e é a primeira vez que ocorre em solo nacional.

A intenção da ONG é realizar o levantamento digital 3D de património cultural numa perspetiva de salvaguarda digital, de potenciação das comunidades e de divulgação multimédia dos monumentos e sítios arqueológicos e patrimoniais.

Elvas prepara futuro com base no passado

Em Elvas, esta semana, promete ser marcante com dois grandes passos naquilo que será o acréscimo cultural, histórico e turístico à cidade como polo de desenvolvimento turístico e preservação da História e Património.

Quem quer um castelo alentejano?

Se a pergunta for feita assim, poucas pessoas diriam não, no entanto, é isso que está a suceder com cerca de 37 castelos nacionais - 25 classificados como monumentos nacionais - e que podem ver a sua gestão passar para o foro das autarquias onde se localizam, algo que algumas autarquias recusam.

O problema surgiu com descentralização de competências levada a cabo pelo Governo e que atribui agora às autarquias competências sobre estes monumentos, até aqui sob alçada de dois ministérios: o da Administração Interna e o da Cultura.

Reguengos de Monsaraz já faz parte do Festival Terras sem Sombra

Pela primeira vez, Reguengos de Monsaraz integra a programação do Festival Terras sem Sombra, que se vem realizando pelo Alentejo desde 2013.

Este Festival que celebra a música, o património e a biodiversidade, fará a sua estreia no concelho de Reguengos de Monsaraz a 23 de fevereiro, pelas 15h, quando se realizar uma visita ao Museu do Fresco, em Monsaraz, guiada pela historiadora e Diretora Regional de Cultura do Alentejo, Ana Paula Amendoeira, e pelo químico António Candeias.

Igreja da Misericórdia de Évora reabre depois de um ano em obras

Já está novamente aberta ao culto a Igreja da Misericórdia de Évora.

O edifício de meados do século XVI, em 1554, reabre hoje após ter estado cerca de um ano fechado para obras de conservação e restauro.

Esta reabertura será marcada, com início às 16h30, com uma atuação do Coral Évora e uma eucaristia presidida pelo arcebispo de Évora, Francisco Senra Coelho, entre outras iniciativas.

Monforte precisa de 600 mil euros para expor 16000 azulejos da rainha Santa Isabel

Com o objetivo de albergar os cerca de 16000 azulejos que retratam vida e milagres da rainha Santa Isabel, a autarquia de Monforte pretende investir perto de 600 mil euros na criação de um museu.

Além da vida da Rainha Santa, existem azulejos onde figuram os milagres de São Francisco e painéis não figurativos compostos por motivos seriados.

Páginas