17 Agosto 2019      11:28

Está aqui

Crónica literária começada com A

Hoje começa o alfabeto, hoje começo com a letra A e falarei das palavras belas que existem iniciadas por essa mesma letra. Ela serve para tanta coisa. Serve para articular, serve para iniciar e acabar e serve para interjecionar o mundo. Comecemos então por aquele nome começado pela primeira letra e que para muitos terá sido o nome do primeiro homem. Tenha sido ou não, surge como um marco na vida de tanta gente. Pelo, menos assim é na minha vida, considerando que o meu sobrenome é Adão.

E é isto mesmo, a letra A serve para começar tanto e tudo e foi, por isso mesmo, o Alfa, escolhido para começar a palavra Adão. Dizem-me os dicionários que Adão “significa "homem", "homem criado da terra (vermelha)". A origem do nome Adão é o hebraico Adam, que significa "homem". Essa palavra está intimamente ligada com a palavra hebraica para terra, adamah. O que sei de Adão é aquilo que me transmitiram e aquilo que li e passei a conhecer sobre essa figura bíblica. Sei, acima de tudo, que é o nome que transporto do meu avô. E é o nome que é o legado da nossa família.

Não só Adão começa com A. Tantos países e tantos continentes, tanta cidade e tanta aldeia, tanto monte e tanta terra. Recordem, ao ler estas palavras, quais são. Eu deixo ao vosso prazer o fluir das palavras que acalentam a alegre aliteração alinhada ao A, ao seu ritmo e ao seu sabor.

Tantas são as palavras belas que por esta letra começam. Tantas são as palavras que se iniciam com a primeira letra do alfabeto e expressam os nossos estados de alma, as nossas emoções e nossas expressões. Se não, vejamos a letra que inicia a palavra Amor, vejamos de onde vem o sentimento que ama, da alma. Vejamos quem dá um abraço e quem ajuda. Pensemos no altruísmo e na alimentação, nos alicerces da vida e nos alicerces de uma casa. Pensemos na ambição em chegar mais longe, em alcançar o alto do monte, em aliviar a dor dos outros, acrescentando sempre algo positivo.

Ir do Alentejo ao Algarve, de Almodôvar a Albufeira, andar de avião daqui à América. Viajar o mundo, da primeira letra, do som que tudo inicia no alfabeto. Em A, abraçar um amigo com amizade, alargar os horizontes do mundo que não adormece. Alguém, algures, no meio do anonimato, saberá do que falo quando digo que a mesma letra também é o incerto. Algum dia, alguém adivinhará o alcance dos algoritmos.

O A alimenta-nos, com alface e com arroz, com algas e aveia, azeitonas, alfarrobas e amêndoas, amendoins e algo mais. O A sacia-nos a sede com água e aguardente e tempera a comida com azeite.

Tanto mais poderia dizer sobre o A, enumerar as palavras todas que ao longo de anos e anos, cresceram e se tornaram familiares, sem que nem por um dia pensemos na sua aliteração nem no seu significado. Não pensamos nas letras e nas palavras bonitas. Não pensamos no sentido, nem no A que está no meio do mar, nem no princípio nem no fim da alma, ou onde começa o amor ou a amizade.

Sei só que o meu nome dela começa a ela está associado e que sendo a primeira do alfabeto, por ela deveria começar a falar. De seguida, passarei à próxima e dela contarei uma bela história que começa por B. Nela falaremos de letras e emoções que constroem palavras e não o contrário. Nela falaremos de beleza, tanta que nem o barco de Hades, deixara que se esqueçam aquilo que vos direi.

 

CAPTCHA
Image CAPTCHA
Escreva o caracteres que vê na imagem do lado direito.