Está aqui

José Carlos Adão

Folheto informativo

O folheto informativo chegava todos os dias à mesma hora. Trazia toda a informação necessária para aqueles que o recebiam e aqueles que o emitiam. Essa era a sua função e esse é o seu primordial propósito.

Poderia ter outro formato, o de um jornal, de uma brochura, mas não tinha. Era apenas um folheto informativo que em poucas páginas trazia tudo aquilo que se considerava relevante.

Passou por vários formatos de emissão e de chegada, desde o antigo papel, até ao digital. Hoje em dia, aquilo que interessa chega num clique. Tudo e nada.

A fonte que não queria parar…

Numa terra muito longínqua, perto de tantos sítios que são ao mesmo tempo desconhecidos e conhecidos, havia uma fonte que não queria parar de deixar água.

Neste tempo em que vivemos, quando a água escasseia em quase todo o lado, conhecer a fonte da qual nos podemos alimentar será uma mais-valia…

Porém, a nossa história de hoje, se é que me posso achar no direito de vos contar uma história semanal. Cada texto que escrevo e apresento ao vosso juízo é uma tentativa de partilha e de receção das opiniões de quem lê e quem presta a atenção que considera por conveniente.

A caneta cuja tinta nunca terminava e a vela que não se apagava

Na mesma sala, em cima de uma secretária velha e abandonada, estavam uma vela ainda acesa, que parecia não ter fim e, ao seu lado, uma caneta que tinha escrito uma vida inteira. E era uma caneta que ainda assim continuava a ter tinta. Já não era usada mas existia ainda, tal como a luz daquela vela que não se apagou com a solidão. As coisas, os objetos quando deixam de ser usados, perdem a sua utilidade e, salvo aqueles que os utilizaram alguma vez, ninguém se lembra para que serviam.

O suspiro do vento

Hoje, quando escrevo esta breve crónica, penso essencialmente naquilo que leva alguém a escrever um texto. Escreveria sobre alguém ou alguma coisa. Escreveria sobre uma terra, um tempo passado, uma alegria, um lamento? Ou escreveria sobre um simples movimento do momento que não se move!

O suspiro do vento é tão forte nesta breve crónica quanto o é no Alentejo, no Algarve, nos Estados Unidos ou em qualquer lugar.

O momento antes de dormir

Na semana passada, falamos sobre a insistência. Não sei exatamente porquê, decidi insistir num tema que muita gente poderá insistir. A insistência da semana passada, como qualquer insistência só deve ir até ao momento certo da sua existência. Prefixos diferentes mas raízes iguais. É tão curiosa a língua portuguesa.

Curiosa e diversa. Diversa e filha de várias origens, como a árabe! E isto leva-nos ao momento seguinte deste texto.

A insistência

Se há algo que persiste na natureza de todos nós é a necessidade de ver cumpridos os nossos objetivos, sejam eles maiores ou menores.

O cumprimento de objetivos dependerá da nossa persistência, resiliência, atitude, proatividade, sensibilidade aos temas e muitos outros fatores externos que nem eu próprio saberia explicar, pois derivam da personalidade de cada um.

Lugares vagos

Hoje, ao percorrer uma curta distância de comboio, houve algo na viagem que me começou a atormentar e a preencher o pensamento. A maioria dos lugares no comboio, naquele percurso que estava a fazer estavam vagos.

A viagem não ocorreu durante a pandemia, claramente. Aí tudo estava vago. Quase toda a gente mudou os seus hábitos, ficando em casa, trabalhando a partir daí, fosse essa decisão por obrigação ou por decisão consciente de saúde.

A profecia das três bolotas

No ano longínquo de 2198, após anos e anos de guerras nucleares e devastações naturais, cansadas por tudo o que é menos natural e menos humano. Foram anos seguidos de devastação. Portugal tinha deixado de existir e de ser conhecido como tal. Nas grandes cidades restavam escombros e cinza. Não crescia nada nelas. Além do castanho e do cinzento, nada mais havia.

Ninguém se lembrava das cores do mundo, das cores da natureza. Ninguém existia para se lembrar das cores, ou na vida em si.

Azulejos

Enchi a sacola com pedras que fui apanhando no meu percurso e pedaços de argila junto a um ribeiro que enchi com as minhas lágrimas derramadas, tantas vezes por coisas sem importância ou sentido. Não eram tantas lágrimas que pudessem encher esse ribeiro, mas na sua mistura com as lágrimas de outros que por lá passaram e outros ainda que passarão, as lágrimas transformaram o Ribeirão num mar, devido ao sal nelas contido.

A argila misturou-se com as pedras que já se encontravam no saco que, aos ombros, carregava com dor.

A torre da igreja

Caiu a torre da igreja! Caiu a torre da igreja e é mau presságio! Caiu a torre da igreja e nesta terra ninguém mais se vai levantar, ninguém mais vai acompanhar as horas e o cronometrar dos tempos. Gritava a mulher idosa em frente aos escombros daquela igreja com duas torres. Assustada, vestida de negro pelos pesos e as mortes todas que tinha já carregado na sua vida. O luto acompanhava-a já há pelo menos mais de um quarto de século.

Páginas