Está aqui

Terra

Reguengos de Monsaraz e Viana do Alentejo marcam “A Hora do Planeta”

Reguengos de Monsaraz, Viana do Alentejo, Vendas Novas, Évora, Odemira são algumas cidades alentejanas que aderem hoje à Hora do Planeta.

Entre as 20:30h e as 21:30h, será assinalada a “Hora do planeta” com o apagar de luzes em locais emblemáticos. Em Évora, serão desligadas as luzes do edifício dos Paços do Concelho, Templo Romano, Igreja de Santo Antão, Arcadas da Praça de Giraldo, Igreja de S. Vicente e Arcadas da Rua da República, Sé de Évora e Parque Infantil Municipal Almeida Margiochi, em Évora

INVESTIGADOR DE ÉVORA NOMEADO PARA ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL

O novo vice-presidente organização internacional científica “Geohazard Task Group” é António Correia, professor do Departamento de Física da Escola de Ciências e Tecnologia da Universidade de Évora e investigador do Instituto de Ciências da Terra.

O “Geohazard Task Group”  - composto por cientistas de diversas áreas da geociência, da engenharia, e das ciências sociais – pretende estudar e minimizar os danos e riscos provocados por vulcões, tsunamis e outras catástrofes naturais de grandes dimensões.

A TERRA ESTÁ A ARDER

O ano passado, 2015, fica registado na História da Humanidade como o ano mais quente de sempre. Não há registo de um ano com uma média de temperatura tão elevada como este, facto que, a manter-se poderá mudar a Terra e as suas próprias condições de habitabilidade.

Buscam-se as causas e a mão do Homem surge à cabeça, essencialmente pela elevada emissão de gases que acabam por provocar efeito de estufa o que leva ao aquecimento global do planeta.

UMA CIDADE QUE GERA ENERGIA E… FELICIDADE

Parece título de um conto infantil ou uma história de uma daquelas cidades que eram publicitadas nos “fabulosos anos 20” nos Estados Unidos, mas é a realidade de agora, século XXI.

Existe uma cidade na Europa que recicla, gera energia, quase não tem carros e onde as pessoas vivem felizes.

Chama-se Vauban, fica quatro quilómetros a sul de Friburgo (no lado o lado ocidental da Floresta Negra) e foi desenhada para 5000 habitantes, e conta com 600 postos de trabalho.

Começou a ser construída em 1990, tendo por base uma antiga base militar francesa, e sob o conceito de ser sustentável.