Está aqui

Estudo

Temperaturas no Alentejo deverão aumentar 2 a 3 graus nos próximos anos

Até 2100, as temperaturas médias em Portugal, em especial no Alentejo, deverão sofrer um aumento de dois a três graus, podendo verificar-se, nos meses de verão, máximas diárias acima dos 40ºC. A informação é revelada por um estudo realizado por investigadores da Universidade de Aveiro.

Universidade de Évora cria Manual de Boas Práticas Agrícolas com imagens de satélite

Um grupo de investigadores e técnicos da Universidade de Évora criou o “'Manual de Boas Práticas Agrícolas: Agricultura de Precisão com Imagens de Satélite”, em conjunto com o Centro de Investigação Científica e Tecnológica da Extremadura (CICYTEX), em Espanha, o Instituto Politécnico de Beja e o Instituto Pedro Nunes e a FEVAL (Instituição de Feiras da Extremadura).

Universidade de Évora participa em estudo para avaliar morcegos em Portugal

A Universidade de Évora, juntamente com a Universidade do Porto e de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) e ainda em articulação com o Instituto de Conservação da Natureza e Florestas (ICNF), está a realizar um projeto para avaliar o estado de conservação dos morcegos em Portugal.

De acordo com a Lusa, a UTAD é quem lidera este consórcio, denominado “Chiroptera”, que irá avaliar o estado de conservação dos morcegos, no âmbito da revisão do Livro Vermelho dos Mamíferos de Portugal Continental.

Universidade de Évora recebe prémio com estudo sobre recuperação clínica

A Universidade de Évora divulgou um estudo sobre a recuperação clínica e qual a melhor forma de evitar problemas cardiovasculares e outros nos doentes em recuperação, merecendo uma menção honrosa por parte do Comité Olímpico de Portugal nos Prémios Ciências e Desporto.

Universidade de Évora descobre nova planta em Vila Nova de Milfontes

A Universidade de Évora anunciou a descoberta de uma nova planta endémica, “rara e fortemente ameaçada”, que cresce em charcos temporários e está “restringida a nível mundial a pequenas áreas da Costa Vicentina”, revela a agência Lusa.

A planta, denominada Helosciadium milfontinum, foi descoberta no âmbito de um estudo conjunto entre a Universidade de Évora (UÉ) e botânicos da Universidade de Oviedo, em Espanha.

Politécnico de Portalegre alerta para o risco de encerramento da Economia Social

De acordo com um estudo levado a cabo pelos institutos politécnicos de Setúbal e de Portalegre, a crise provocada pelo coronavírus pode levar a que uma em cada cinco organizações da Economia Social feche portas nos próximos dois meses.

O estudo “Economia Social no contexto Covid-19” foi desenvolvido por uma equipa de investigadores do Instituto Politécnico de Setúbal e do Politécnico de Portalegre, que analisou a realidade atual das OES com o objetivo de contribuir para as políticas públicas e a gestão destas organizações.

Estudo realizado no Alentejo mostra os benefícios da esteva na dieta animal

Uma investigação realizada no Centro de Biotecnologia Agrícola e Agro-Alimentar do Alentejo (CEBAL) concluiu que existem vários benefícios na utilização de esteva na alimentação animal.

O projeto “CistusRumen – Utilização de Esteva na Alimentação de Ruminantes – Melhoria da eficiência alimentar e da qualidade dos produtos e redução do impacto ambiental” reuniu mais de 30 investigadores de 7 instituições nacionais durante 48 meses, com o objetivo de explorar a utilização da esteva ou dos seus extratos na dieta de ruminantes.

Universidade de Évora descobre nova espécie de nemátodes

Um estudo pioneiro liderado por Carlos Gutiérrez-Gutiérrez, do Laboratório de Nematologia - MED da Universidade de Évora, descobriu uma nova espécie de nemátodes à volta das raízes de uma erva, na localidade de Bordonhos, em São Pedro do Sul.

Os nemátodes são animais geralmente cilíndricos e alongados, que parasitam o homem, os animais domésticos e selvagens, os peixes de água doce e salgada, as plantas, as algas, fungos e até outros nemátodes. No homem, a lombriga intestinal (Ascaris Lumbricoides) é o mais conhecido entre os nemátodes parasitas.

VINHOS ALENTEJANOS SÃO OS PREFERIDOS DOS PORTUGUESES

Os vinhos alentejanos são os preferidos dos portugueses. Quem o assegura são os dados resultantes do estudo TGI da Marktest.

O estudo quantifica em cerca de 4 milhões e 600 mil o número de indivíduos que referem ter consumido vinho em garrafa nos últimos 12 meses, ou seja, 55.8% dos residentes no Continente com 18 ou mais anos e que, no que toca às preferências, escolheram os vinhos alentejanos como os seus preferidos.

Foram cerca de metade os participantes do estudo que dizem preferir o vinho alentejano, logo seguido dos vinhos com origem no Porto e no Douro.

UNIVERSIDADE DE ÉVORA EM ESTUDO INTERNACIONAL SOBRE AVES

A Universidade de Évora é uma das entidades que fez parte de um megaestudo sobre o impactos das alterações climáticas nas aves.

Neste estudo estiveram envolvidas a Universidade de Copenhaga, da Dinamarca e a academia alentejana esteve envolvida através do Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos – CIBIO e resultou num artigo que será publicado na revista da especialidade “Science Advances”.