Está aqui

alterações climáticas

Cientista alentejano Miguel Bastos Araújo entre os melhores do mundo

O cientista Miguel Bastos Araújo - investigador responsável na Cátedra Rui Nabeiro - Biodiversidade da Universidade de Évora (UÉ) - foi classificado pela agência Reuters como é um dos mil cientistas climáticos mais proeminentes do mundo.

Miguel Bastos Araújo é mesmo o primeiro português a surgir neste ranking, surgindo o investigador da UÉ na 57.ª posição desta “hot list”que conta com os principais cientistas do clima a nível mundial.

Politécnico de Portalegre com 2,4 M/€ para combater a crise climática

Numa parceria com o Fórum da Energia e Clima e a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Alentejo (CCDR), o Instituto Politécnico de Portalegre (IPP) desenvolveu o “Projeto Guardiões” para combater a crise climática e que conta com um financiamento global de cerca de 2,4 milhões de euros.

Coordenado por Luís Loures, vice-presidente do IPP, este projeto pretende ser um instrumento de sensibilização, formação e informação da sociedade civil para a temática das alterações climáticas.

VINEAS - a plataforma que ajuda o setor do vinho diante das alterações climáticas

A VINEAS é uma plataforma para o setor do vinho promover o desenvolvimento de estratégias e soluções de adaptação às alterações climáticas e que surge por iniciativa da NOVA School of Science and Technology | FCT NOVA.

A VINEAS é resultado do projeto MEDCLIV liderado em Portugal pela NOVA School of Science and Technology | FCT NOVA e que conta com outros agentes de cooperação como a Universidade de Évora, a Comissão Vitivinícola Regional Alentejana (CVRA), e a Associação Técnica dos Viticultores do Alentejo (ATEVA).

Investigadores de Évora estudam impacte das alterações climáticas e incêndios florestais

Que impactes podem resultar das alterações climáticas na Península Ibérica nas próximas décadas? Quais as áreas mais propensas à ocorrência de grandes incêndios rurais? De que forma estes eventos extremos afetam as comunidades locais? Estas são algumas das questões a que os investigadores da Universidade de Évora querem responder.

Baixo Alentejo integra projeto para combater alterações climáticas

A Empresa do Desenvolvimento e Infraestruturas do Alqueva (EDIA), em parceria com a Comunidade Intermunicipal do Baixo Alentejo (CIMBAL), vai implementar um projeto de combate às alterações climáticas que vai ser desenvolvido em oito concelhos do distrito de Beja.

O projeto, intitulado “Viver o Clima no Baixo Alentejo”, integra o Plano Intermunicipal de Adaptação às Alterações Climáticas do Baixo Alentejo (PIAACBA) da CIMBAL e vai decorrer ao longo do ano.

Aprovada candidatura no âmbito das alterações climáticas em Mértola

A Câmara Municipal de Mértola viu aprovada a sua candidatura do projeto “Adaptação às Alterações Climáticas, a Segurança de Pessoas e Bens e o Turismo” apresentada ao Programa Ambiente dos fundos EEA Grants.

De acordo nota publicada pela autarquia, este projeto prevê a elaboração de “um conjunto de documentos reguladores na área da segurança de pessoas e bens, considerando os diferentes cenários de risco que se podem colocar e agravar num contexto de alterações climáticas”.

Odemira escolhe 5 propostas ambientais para o seu Orçamento Participativo

O Orçamento Participativo (OP) do município de Odemira de 2020, dedicado ao ambiente e às alterações climáticas, contou com cinco propostas vencedoras.

De acordo com a autarquia, citada pelo Correio Alentejo, as propostas vencedoras foram escolhidas pela população através de voto, sendo a proposta “Percurso Interpretativo na Zona da Ponte Salvador, Corte Malhão” na freguesia de São Martinho das Amoreiras, a mais votada, com 195 votos e avaliada em 75 mil euros.

Temperaturas no Alentejo deverão aumentar 2 a 3 graus nos próximos anos

Até 2100, as temperaturas médias em Portugal, em especial no Alentejo, deverão sofrer um aumento de dois a três graus, podendo verificar-se, nos meses de verão, máximas diárias acima dos 40ºC. A informação é revelada por um estudo realizado por investigadores da Universidade de Aveiro.

Investigação da UÉ alerta para o impacto das alterações climáticas na biodiversidade marinha

Um estudo levado a cabo por Joana Portugal, doutoranda da Universidade de Évora (UÉ), explora os principais padrões globais de biodiversidade marinha e projeta de que forma estes poderão vir a modificar-se no final do século devido ao impacto das alterações climáticas.

Os resultados apontam para a migração generalizada de espécies para latitudes maiores de forma a encontrarem refúgio em áreas com uma maior adequação ambiental.

Universidade de Évora lidera estudo sobre mudanças climáticas no Mediterrâneo

Maria Obregón e Maria João Costa, ambas investigadoras do Instituto de Ciências da Terra- Polo de Évora (ICT), lideram um estudo que analisa os efeitos do aerossol e do vapor de água na radiação solar na Bacia do Mediterrâneo, uma das áreas marítimas com mais cargas de aerossóis do mundo.

Páginas