Está aqui

Regionalização

Regionalização: Alentejo quer, Lisboa não

Quando o tema é a regionalização, o Alentejo quer, Lisboa não.

É isso que revela uma sondagem da Pitagórica para o JN. Dividindo o país em Norte, Centro, Lisboa, Alentejo e Algarve, todos querem a regionalização, menos Lisboa onde a maioria está contra.

O Alentejo está a favor, mas de modo mais moderado que Algarve e Norte, onde o apoio à regionalização se faz sentir com mais veemência.

São dois terços do total dos inquiridos os que consideram que o poder e as decisões estão concentrados na capital.

Norte defende País dividido em 5 regiões depois das legislativas

O poder político e académico do norte do País esteve reunido este fim-de-semana para defender a regionalização após as eleições legislativas de outubro.

Segundo o Observador, autarcas, comunidades intermunicipais, universidades e associações da região norte estiveram reunidos em Bragança para discutir a regionalização. Está prometida a reabertura do debate e assinada a proposta de um novo referendo nacional à regionalização, depois da última consulta popular ter sido chumbada há 20 anos.

Regionalização: 20 anos de arrependimento

Existem os arrependidos, os eternamente convictos, os descrentes e os idealistas. A regionalização serviu para alimentar toda a espécie de sentimentos, pelo menos, ao longo dos últimos 20 anos. Não recuando mais nesta história, vou deixar de lado os vira-casacas, as campanhas sub-reptícias e a comunicação social, tal como o país, centralista e centralizadora.

AMAlentejo recorda Sim do Alentejo à regionalização

Na passada quinta-feira, decorreram vinte anos da realização do Referendo sobre a Regionalização.

A AMAlentejo recordou que, há 20 anos, o Alentejo foi a única região do país que votou pelo “Sim” à regionalização e pela criação da Região Administrativa do Alentejo.

Em comemorações que decorreram na Casa do Alentejo, em Lisboa, José Soeiro, da AMAlentejo, referiu que esta é uma nova oportunidade de se olhar para o Interior e que devem ser assegurados os investimentos necessários e que deve ser debatida a criação da CRA - Comunidade Regional do Alentejo.

 

PCP do Baixo Alentejo rejeita descentralização e defende regionalização

O PCP do Baixo Alentejo assinala os 20 anos do referendo sobre a regionalização (que não teve força vinculativa já que a abstenção foi superior a 50%), para lembrar que este é um "imperativo constitucional ainda não cumprido" e criticar o que chama de imposição da descentralização às autarquias por parte do governo.

ÉVORA: JERÓNIMO DE SOUSA DEU PRAZO AO GOVERNO PARA FAZER REGIONALIZAÇÃO

O Secretário-geral dos comunistas esteve ontem há noite em Évora para apresentar Carlos Pinto de Sá como candidato do PCP à câmara de Évora. Jerónimo de Sousa acusou o governo de estar a adiar "uma real descentralização" do país e defendeu o avanço da regionalização em 2019.

ELVAS: RUI RIO DEFENDE REGIONALIZAÇÃO

O ex-presidente da Câmara do Porto, Rui Rio, esteve em Elvas esta semana e elogiou o trabalho realizado pelas autarquias de cidades com pouca população e que têm melhorado a qualidade de vida dos seus munícipes.

Aquele que tem sido, por diversas vezes apontado como candidato a líder do PSD, disse ainda que o país deveria realizar um debate sério sobre o tema da regionalização e que o que está em causa é o interesse nacional e uma melhor gestão e adequação da despesa pública, além da aproximação em decisores e população.

REGIONALIZAÇÃO JÁ

O Alentejo quer a regionalização já e este vai ser o tema central do congresso “Mais poder local, mais democracia, melhor Alentejo” que se debruçará sobre poder local e regional, no próximo dia 2 de abril, em Tróia.

São mais de 80 as instituições alentejanas que defende a criação da Comunidade Regional do Alentejo, a regionalização, prevista na Constituição há 40 anos.

A criação da Comunidade Regional do Alentejo, uma regionalização provisória e de carácter transitório, vai constar do texto de proposta de declaração final do referido congresso.

ALENTEJO VAI SER REGIÃO?

As quatro Comunidades Intermunicipais do Alentejo estão juntas na AMAlentejo, o movimento alentejano que defende a regionalização da região e que está a preparar o Congresso "Mais Poder Local, Mais Democracia, Melhor Alentejo", a decorrer a 2 Abril em Tróia.
 
O Movimento vai debater em Congresso as autarquias locais como agentes de desenvolvimento, defender a implementação das regiões administrativas e apresentar exemplos das vantagens da Regionalização em vários países da Europa.

PERSONALIDADES DO ALENTEJO QUEREM A REGIONALIZAÇÃO

Várias personalidades, dezenas de autarcas e instituições alentejanas iniciaram os preparativos para o que chamam de congresso pela Regionalização, que decorrerá a 2 de Abril de 2016, no Centro de Conferências de Tróia em Grândola.
 
A data coincide com o 40.º aniversário da Constituição da República Portuguesa que, como defendem os organizadores, prevê a criação das Regiões Administrativas, nunca concretizadas.
 

Páginas