Está aqui

Arte

Julho

Nos primeiros dias do mês, Eloísa sentiu que uma vida florescia dentro de si. Estava grávida. Começaram os enjoos mas, ainda assim, não eram suficientes para ponderar o que estava a viver.

Julho é um mês muito quente em Beja. Apesar de ser uma cidade que apaixona, em julho não há muito a fazer e o trabalho de Eloísa era inexistente. A fantasia em que vivia desligou-a de tudo, não completamente mas tornou-se segundo plano.

Maio

No dia 3 de maio, após a troca contínua de mensagens e vídeos e vídeo-chamadas por instagram, este era o dia em que Pablo chegaria à Madeira. Este era o dia em que Eloísa finalmente conheceria o seu grande amor, ou paixão, digamos assim.

God Told Me To – parte 2

Moisés levou o povo eleito (a metáfora possível) para a um lugar seguro, Jesus deixou-se morrer. Ambos foram tentativas falhadas do criador. Demasiado humanos – esqueceram as suas alianças mais profundas, criaram empatia com a espécie que os viu crescer e não com a entidade que os fez diferentes, enviados especiais. Separados por demasiado tempo, talvez. Removidos pela raiz. Rebeldia supra-humana, esta, tão distinta e cuja essência sempre tivemos dificuldade em compreender (mais uma vez, a metáfora possível).

Esta é a última letra do alfabeto. Terminam-se hoje aqui vinte e muitas semanas, cada uma com uma letra diferente, cada uma com pessoas, lugares, situações tão diversas como os lugares onde foram escritas.

Shirley Jackson

Eis o primeiro parágrafo de We Have Always Lived in the Castle, a última novela (na verdade, o último escrito publicado em vida) de Shirley Jackson:

De Évora para a Tour de Madonna

De Évora para a Tour de Madonna; resumidamente, é este o percurso da jovem Jéssica Pina, natural de Alcácer do Sal, trompetista e licenciada em música - ramo de jazz - pela Universidade de Évora e que acompanha a ícone da pop mundial numa digressão.

Jéssica integrou o grupo de músicos que fazem parte do “MADAME X world tour” – com mais de 80 concertos nos maiores palcos internacionais - e que passou por Nova Iorque, Los Angeles, Chicago, Las Vegas, Boston, Filadélfia e Miami, nos Estados Unidos, por Lisboa e que passará ainda por Londres e Paris.

Era uma vez uns tipos comuns liderados por um tipo singular.

Enquanto banda que fez (conseguiu fazer) da longevidade uma forma de estar, alternaram entre o bom e o muito bom durante quase 20 anos. Mas, há sempre uma mas, e este é um mas que sabe maravilhosamente, houve um instante em que foram superlativos. Instante que equivale a um álbum: Different Class – corria ano de 1995, por essa razão um dos mais belos anos do senhor que está algures lá em cima. Não está, mas é como se estivesse.

E hoje o Alentejo volta a ter “Terras sem Sombra”

Será já esta noite, sábado, que o Alentejo terá o Festival Terras Sem Sombra de regresso.

O primeiro concerto desta nova temporada musical do premiado festival internacional alentejano terá lugar na igreja de São Cucufate, em Vila de Frades, Vidigueira, esta noite, pelas 21:30h.

Este programa será exclusivamente dedicado a Hildegarda de Bingen, e surgirá pela mão do   grupo coral Tiburtina Ensemble, de Praga, da República Checa e que é composto integralmente por cantoras.

A direção estará a cargo da soprano e harpista Barbora Kabátková.

Frankie Goes To Hollywood – Welcome to the Pleasuredome

Não foram os primeiros a fazê-lo, a misturar performance pop com as agruras da obra conceptual, mas nunca essa dimensão do espectáculo havia sido encenada em disco tão nos limites do gosto vigente e de forma tão, como dizer,… promíscua. Simbologia, claro está, de uma profunda rebeldia. Sistema anti-sistema de recolha e reciclagem (talvez, se nos é permitido ir por tal caminho, e agora pleno de pujança e actualidade e saudável exagero, possa ser visto como um equivalente do cinema de Tarantino na criação musical pop).  

Ulisses

Passaram-se tantos anos desde isto me aconteceu. Hoje ainda me lembro bem da noite. Ainda me lembro bem de ti, meu amigo! Foi numa casa de cada de fados em Lisboa. Brincaste comigo e disseste-me que a cidade tinha o teu nome! Ter-se-ia chamado Olissipo por tua causa, que terias lá estado há muitos anos, na tua epopeia e eu, sim está bem - Tu e todos os outros que estão aqui neste restaurante e já beberam duas cervejas. Aliás, para me embebedar precisarias muito mais do que isso... mas se te chamas Ulisses, até te dou um desconto. Até me disse, olha...

Páginas