30 Maio 2024      09:08

Está aqui

Municípios de Beja juntam personalidades contra violência doméstica

A campanha “Figuras Ativas Contra a Violência Doméstica” acaba de ser lançada em cinco municípios do distrito de Beja, contando com a participação de diversas “figuras ativas” da comunidade, de autarcas e pessoas ligadas às forças de segurança ou à educação.

Segundo a agência Lusa, esta é uma iniciativa da cooperativa Esdime, através do seu Gabinete VERA – Vítimas Em Rede de Apoio, e abrange os concelhos alentejanos de Aljustrel, Almodôvar, Castro Verde, Ferreira do Alentejo e Ourique.

Marina Brito, coordenadora do Gabinete VERA, explica que “o grande objetivo desta campanha é mostrar à comunidade que não é aceitável qualquer tipo de violência, neste caso a violência doméstica”.

De acordo com a responsável, a campanha, que arrancou esta quarta-feira em Castro Verde, é constituída por uma exposição de fotografia itinerante, onde autarcas e outras pessoas ligadas às forças de segurança, aos bombeiros, à educação e à saúde exibem mensagens contra a violência doméstica.

“Colocar pessoas que não estão diretamente a trabalhar nesta área, mas que têm um papel público importante, a posicionarem-se contra [a violência doméstica] mostra que, de facto, a comunidade não está permissiva” com este crime, justificou Marina Brito.

A coordenadora do Gabinete VERA disse ainda que a ideia é “responsabilizar mais os agressores e não culpabilizar as vítimas”.

“Ainda assistimos a situações em que isso acontece, mas a mensagem tem de ser que a violência doméstica não é aceitável de forma alguma e, em vez de cedermos à culpabilização da vítima, temos sim de responsabilizar quem comete este crime”, reforçou.

Além da exposição itinerante, as imagens que compõem a exposição vão ser igualmente distribuídas, por via postal, nos cinco concelhos alentejanos, assim como divulgadas nas redes sociais.

“Temos um território que é muito diversificado, com pessoas que têm fácil acesso às redes sociais e a tudo o que passa na Internet, mas também com pessoas mais velhas, que não têm acesso às redes sociais e onde o papel ainda é um veículo de passagem de informação”, justificou Marina Brito.

A campanha servirá, em simultâneo, para “divulgar a estrutura e os contactos” do Gabinete VERA, explicou a sua coordenadora, revelando que esta resposta acompanha “uma média de 100 situações ao longo de cada ano” nos cinco concelhos.

“Não temos notado uma afluência muito maior e esse é um dos motivos que nos leva a divulgar cada vez mais o Gabinete VERA, porque sabemos que haverá muitas pessoas [vítimas de violência doméstica] que continuam sem pedir ajuda”, concluiu.

 

Fotografia de servicopublico.pt