26 Março 2019      14:02

Está aqui

Casa flutuante testada em Alqueva é considerada uma "das mais bonitas do mundo"

Passam três anos desde que o protótipo da Casa-Barco da Fryday começou a ser testada nas calmas águas do maior lago artificial da Europa, Alqueva. A ideia deste projeto nasceu do ex-reitor da Universidade de Coimbra, Fernando Seabra Santos, um homem que se diz apaixonado pela água. Engenheiro civil, mestre em mecânica dos fluidos e doutorado em oceanografia física, Fernando Seabra Santos sempre praticou desportos náuticos e talvez por isso não surpreenda a aposta que fez na engenharia de lazer.

Depois do sucesso dos testes, apesar de ainda não ter sido apresentada publicamente, está já a receber encomendas de África, na China e de França, e a Nomadic Homes, publicada pela Taschen, elegeu-a como uma das casas-flutuantes mais bonitas do mundo. 

A Floatwing, é assim que se chama a casa-barco, esteve atracada na Amieira Marina, em Alqueva, é bem conhecida naquelas bandas, mas agora mudou-se para Resende, no Douro. Mas entretanto pode voltar para lá, multiplicada pelo número daqueles que a queiram comprar, com preços que variam entre os 74 mil e os 270 mil euros.

Uma Floatwing, é feita em Portugal, com pinho e cortiça, produz 80% da própria energia graças a painéis térmicos e fotovoltaicos, tem autonomia para sete dias, dispõe de tratamento de águas residuais e tem dois motores fora de bordo, que lhe permitem navegar até uma velocidade máxima de cinco nós. Como tem apenas 0,7 metros de calado, chega praticamente a todo o lado, mesmo em águas pouco profundas. E um motor de proa facilita as manobras. A largura é de 6 metros e o comprimento começa nos 10 metros mas pode ir até aos 18 metros, onde cabem uma sala, casa de banho, dois quartos, um deck para apanhar sol e um terraço generoso.

 

Siga o Tribuna Alentejo no  e no Junte-se ao Fórum Tribuna Alentejo e saiba tudo em primeira mão

 

 

CAPTCHA
Image CAPTCHA
Escreva o caracteres que vê na imagem do lado direito.