1 Março 2020      11:05

Está aqui

Apanhaste-me

Apanhaste-me. Deste-me a mão e eu saí da poça em que me mantia afogada. A luz decidiu revelar-se de novo. Passado tanto tempo; cumprimentei-a. Aqueceu-me. Transmitiu-me segurança e conforto.

Sorri.

Estava numa dança lenta e apaixonada com ela.

Ainda com a minha mão entrelaçada na tua, guias-me por novos caminhos; não que eu não os tivera conhecido antes. Mas agora, observo noutra perspectiva.

Explodo gratidão. Por ti. Por nós. Pelo que temos, e iremos ter.

O meu sorriso grita o teu nome, os meus olhos têm o teu vulto tatuado. O meu sorriso que tanto chora de dor, deste estar sempre aberto. Rio-me para estes. Mal sabem eles.

Conto às estrelas. Falo com elas. Elas abraçam-me e sei que estou no lugar certo.

Tenho a teoria que todos nós precisamos de uma melodia. E, uma vez mais, rio-me. Rio-me porque sempre estiveste a tocar. Constantemente. Sem parar. Dei por mim a querer escutá-la e acabou por se tornar a minha música favorita, conseguindo facilmente repeti-la vezes e vezes sem me cansar.

Espero que quando sintas a minha falta, feches os olhos e vejas os nossos corações a encontrarem-se; no caminho que tão bem conhecemos.

Transformaste num piscar de olhos, uma cor suja e triste, num cor-de-rosa cintilante. Uma tempestade agressiva, num dia de primavera. Todos os dias pintas as minhas feridas sem saberes. Cicatrizes tornam-se agora, numa bonita história de amor. Tens um poder incrível e não sabes.

Sussurro-te pequenas palavras sentidas onde brilha facilmente um pequeno, grande, obrigada. O teu coração pressionado contra mim, e sei que tenho o mundo.

“Like a river flows surely to the sea, darling so it goes. Some things are meant to be”

CAPTCHA
Image CAPTCHA
Escreva o caracteres que vê na imagem do lado direito.