10 Julho 2024      11:48

Está aqui

Alentejo: produção de cereais aumenta mas sem qualidade

A produção de cereais no Alentejo aumentou este ano em quantidade, mas com qualidade inferior devido à lixiviação dos solos, provocada pelo excesso de água que arrastou os adubos.

A informação foi adiantada pela Cersul – Agrupamento de Produtores de Cereais do Sul, cujo dirigente, José Maria Falcão, indicou que este ano agrícola está a passar “sem seca”, principalmente no distrito de Portalegre, apesar de existirem alguns casos pontuais no Baixo Alentejo.

Em declarações à agência Lusa, o dirigente disse ainda que se vive “um bom ano” no que diz respeito à quantidade de cereais, mas “não é um bom ano em termos de qualidade”.

A Cersul conta com cerca de 210 associados, que representam uma área global que ronda os 40 mil hectares, sobretudo nos distritos alentejanos de Portalegre e Évora.

“Houve muita lixiviação, muito arrastamento de adubos com o excesso de água. E, por outro lado foi muito difícil conciliar as adubações azotadas que dão mais qualidade e proteína ao grão”, explicou o mesmo responsável.

José Maria Falcão referiu também que os produtores cerealíferos estão a registar produtividades médias-altas, mas com valores de qualidade do grão “muito abaixo da média”, dando como exemplo o setor do trigo duro.

E, relacionado com este tipo de cereais, existe “um problema gravíssimo”, que é a descida do preço pago aos produtores.

“No ano passado, o trigo duro atingiu os 400 euros por tonelada e, neste momento, nas cotações internacionais, não chega aos 250 euros”, o que “é completamente desastroso”, afirmou, lamentando: “É muito difícil fazer cereais com esta irregularidade”.

Questionado sobre a produção de milho, o dirigente da Cersul indicou que a mesma está “perfeitamente assegurada” na região do rio Caia, em Elvas, mas sublinhou que, “cada vez se faz menos”, este tipo de cultura naquela região.

O perímetro de rega do Caia, frisou, “está sustentado” em culturas como o olival, amendoal e tomate e já “quase não se faz milho”, apesar de ser “um ano bom” para este tipo de cereal.

 

Fotografia de rtp.pt