Está aqui

Artigos publicados

Portugal é Lisboa e o resto é paisagem

Também na Assembleia, Portugal é Lisboa e o resto é paisagem. Ou melhor, Lisboa e Porto.

Para 10 811 436 eleitores, Portugal tem 230 deputados. Há deputados a mais, queixa-se o povo. E tem razão. Se é para representar só Lisboa e o Porto, tanto fazem 10 como 20.

A intolerância tem limites

É um facto: a net deu largas ao ódio. Poder-se-á dizer que fanáticos e extremistas sempre existiram, mas, sem dúvida, a net abriu-lhes as portas e permite que sejam proferidos impropérios, realizadas ameaças e ofensas de forma gratuita e que antes, em contacto pessoal, nunca seriam feitas, a consciência do humano, na maior parte dos casos, impele o respeito.

A diferença de opinião – quando confrontada - é o que faz crescer cada ser humano e, no geral, a sociedade, isto sempre e quando exista respeito pelo próximo e pela sua opinião.

Hoje é dia de um dos maiores de sempre: Mandela

Hoje, 18 de julho, é o Dia Internacional Nelson Mandela. Mais, hoje celebrava-se o aniversário de “Madiba”. Mais ainda, celebra-se o seu 101º aniversário.

Quando, em 2003, Mandela faleceu, foi relembrada uma frase sua de uns anos antes. “A morte é inevitável. Quando um homem fez o que considera seu dever para com seu povo e seu país, pode descansar em paz. Acredito ter feito esse esforço, e é por isso, então, que dormirei pela eternidade.”

Começam hoje os Serões nos Claustros, em Portel

Procurar vencer implica sempre risco e a aposta que a Vila de Portel tem feito em matéria de investimento cultural comportaria sempre um risco, sobretudo quando se trata de levar artistas nacionais e internacionais para um concelho no interior do Alentejo, com pouco mais de seis mil habitantes. Mas feitas as contas o risco tem compensado.

A Europa entre extremos de uma corda bamba... e sem rede

A Europa está entre extremos de uma corda bamba...  sem rede , e com olhos postos na Venezuela.
 
A um Brexit aos trambulhões, junta-se a Venezuela, num cenário que, a espaços, tem mesmo recordado o clima vivenciado durante a guerra fria. Foi entre este clima internacional conturbado que lá se viu passar mais um 1º de maio, entre extremismos ideológicos idiotas, ou simplesmente eleitoralistas, e até de alguns fanatismos ou ânsia de protagonismo.
 

“Agora, o povo unido jamais será vencido!” - Será?

Após terminar com 48 anos de ditadura, a mais longa ditadura europeia, há 45 anos Portugal criava condições para ser uma “terra da fraternidade” onde o povo seria quem mais ordenava.

Gritava-se que “o povo unido jamais será vencido” e tinha-se ganho o direito próprio a fazê-lo, a ser livre de dizê-lo!

Notre-Dame a cinza

Ao longo dos séculos, muitos foram os ícones históricos que foram sendo destruídos pelas mais variadas razões, desde a biblioteca de Alexandria ao Colosso de Rodes – há séculos atrás – aos Budas de Bamyan, as cidades antigas de Palmira, Hatra ou de Nínive destruídas recentemente pelos terroristas talibans.

Em 1666, um gigantesco incêndio consumiu Londres durante quatro dias e 80% da cidade medieval inglesa desapareceu e a também mítica Catedral de São Paulo teve que ser reconstruída.

Beijo, beso, bacci, kiss…

Para o escritor De Musset, o beijo era a única linguagem verdadeira no mundo.

Não estaria longe da verdade. Um beijo transporta sentimento; sente-se o que vai dentro de quem beija, a verdade - ou não - desses sentimentos. Um beijo acaba com discussões, impõe-se no meio do silêncio. Tem poder. Tanto que, na história infantil “A bela Adormecida”, tem o poder de acordar de um sono profundo e romper um feitiço.

Hoje, é dia do Beijo.

O presidente que se tornou rei do absurdo

Era uma vez um presidente que queria ser rei do absurdo; selfie atrás de selfie, entrevista atrás de entrevista, abracinhos e beijinhos:tudo isto não bastou. Mas o presidente era esforçado nesta sua vontade de ser rei do absurdo e chegou o dia que ligou à Cristina, em direto, no seu novo programa de TV, e assim conseguiu sê-lo.

Natal: a festa da verdade e do amor e que tem por base uma mentira

É Natal. As ruas ganham cor e as pessoas potenciam sentimentos positivos. Com as músicas de Natal a solidariedade cresce e as pessoas lembram-se de ser mais humanas, lembram-se que o Homem é pluralidade e que não existe eu – não no seu expoente máximo – sem um nós. As pessoas lembram-se que devem ajudar o seu semelhante e são mais verdadeiras.

Mas o Natal, como hoje se celebra, tem uma mentira por base; ou melhor, várias “mentiras”.

Páginas