Está aqui

Viagens

O espelho ficou em casa, eu não

Caro diretor e queridos leitores, 

Deixei o espelho em casa sem que ele tivesse que refletir ninguém, mas certamente estão acontecendo muitas coisas dentro dele, que saberemos quando voltarmos, dentro de alguns dias.

Eu precisava de viajar, não de fazer turismo.

O viajante é um peregrino não religioso.

A curiosidade que o move é respeitosa.

Ele quer fazer parte de algo que procura.

Ele também quer que seja uma jornada para dentro de si, para dentro do que ele já foi ou que gostaria de ser.

Ele quer ser mudado pela viagem e, por isso, vai.

Norte-americanos dizem que há um segredo no Alentejo

Os norte-americanos da "Condé Nast Traveller" dizem que há um segredo muito bem guardado no Alentejo.

A reconhecida revista de viagens escolheu uma lista de 21 destinos para onde viajar em 2021 e revelam haver um local “secreto” no Alentejo.

Uma terra alentejana entre as 20 “mais surpreendentes da Europa”

Há uma terra alentejana que engloba o exclusivo lote das 20 “mais surpreendentes da Europa”: Monsaraz.

Na lista da Jetcost, estão mais duas representantes portuguesas: Óbidos e Monsanto.

A Jetcost, um motor de voos e hotéis, exclusivamente dedicado às viagens, fez uma sondagem entre os seus utilizadores e que escolheram estas 3 localidades nacionais para integrar a lista das 20 cidades mais surpreendentes da Europa. Das portuguesas, nenhuma é cidade, mas o importante é serem aqui destacadas.

IX Koh Mak - Tailândia

O destino seguinte dos dois não estava definido. A decisão, como muitas no passado, tinha sido feita em comum acordo e decidiram os dois que aquela era a melhor opção. A mulher de Amaro tinha pedido expressamente que fossem ambos para um lugar escondido, com o menor número de pessoas possível. Na fase em que se encontrava, apenas o silêncio a ajudaria a aguentar o peso que sobre a sua cabeça se acumulava. A mulher de Amaro, Linda, tinha consciência do seu estado e sabia o que lhe estava reservado.

NÓMADA

O som do aspirador dissipava-se, com a distância. O som da água que corria num riacho longínquo tornava-se cada vez mais efémero e desaparecia ela também. Pedro voltava a si e ao comboio onde estava. A carruagem era tão antiga que os bancos eram em madeira já percorrida pelas traças. Nem o envernizado dos bancos as impossibilitara de viajarem também naquela carruagem. Pedro abria os olhos lentamente para observar, pela janela, o rio que o acompanhava e ao comboio que se deslizava, empurrado pela força do vapor.

VIAGEM DE BARCO

O mar parecia um espelho. Calmo, plano, sem qualquer tipo de ondulação ou toque de brisa. Ao olhá-lo via-se o céu e a nossa cara refletida como se fossemos um Narciso apaixonado por si próprio. Nesse mar calmo, apetecia-me navegar além das ilhas verdes e rochosas que se plantavam, além da minha imaginação e navegar dentro dela, como se eu próprio estivesse na minha cabeça e a navegação fosse feita à vista, dentro dela, sem astrolábios ou materiais de navegação.

OS GIRASSÓIS DE SAIGÃO

Cheguei a Saigão, que hoje já não se chama assim. Hoje é Ho Chi Minh. Cidade com o nome do fundador do moderno Vietname. Lembro-me e recorro ao nome Saigão à luz daquilo que escreveu Marguerite Duras. Nos tempos da presença francesa, uma história de amor n´O Amante.

ECONOMIA COM SURPRESA

Surpresa. Ato ou efeito de surpreender ou de ser surpreendido. Ação calculada pela qual se pretende agradar ou ser útil a alguma pessoa sem esta o prever ou algo que acontece ou surge de repente, não estando previsto.

É assim que começo a primeira nota de economia deste ano, com surpresa.

Pensem no Kinder Surpresa. Agora pensem em economia. Estão a ver? Não? Então debrucemos-mos um pouco sobre a ideia que venceu o TAP Creative Launch- concurso de ideias de negócio que a transportadora aérea lançou em parceria com a Start Up Lisboa, - a Waynabox.

CAFÉ

Cheguei à entrada do café passavam alguns minutos das sete horas da manhã. Óculos escuros postos para disfarçar o olhar matinal de quem vê o Sol como se o visse pela primeira vez na vida. Os olhos emocionam-se, reagem de forma alérgica e ficam vermelhos e inchados. É o repetir dos dias e o peso do sono. Nada a fazer, exceto um café matinal para agitar a adrenalina que se acomodou durante a noite. Após passar a portada do café, esperavam-me tantas caras desconhecidas quanto espaços vazios na cafetaria. Encostei-me ao balcão e o empregado, do outro lado, lançou-me um olhar de rapidez inquiridora do que me levava ali e perguntou se queria café. Respondi que sim e um pastel de nata. Veloz como a necessidade urgente de retirar as borras, por mais pó e tirar mais cafés numa máquina industrial a precisar de se alimentar de mais e mais cafeína. Ouvia o barulho do moinho a transformar os grãos em pó. Eu tomaria apenas uma pequena dose desse volume incomensurável de café que se misturava na água, se cobria de creme e tinha o poder de despertar até os mais sonolentos.

Páginas