Está aqui

Segurança Social

Número de beneficiários do RSI aumenta em Beja e Portalegre

De todo o Alentejo, foi no distrito de Beja que o número de cidadãos beneficiários do Rendimento Social de Inserção mais aumentou, se comparado com 2017 e segundo dados da Segurança Social.

No distrito de Portalegre o aumento de beneficiários foi de 67, contabilizando agora 3310 beneficiários e mais 142 famílias, somando 1.311 famílias.

O valor médio registado em Portalegre é o mais alto no Alentejo, com 117,27 euros por beneficiário e 303,33 euros por família.

ÁLVARO BEIJINHA QUER MANTER SEGURANÇA SOCIAL EM SANTIAGO DO CACÉM

O Presidente da Câmara Municipal de Santiago do Cacém, Álvaro Beijinha,  quer “soluções rápidas para manter o serviço da Segurança Social (SS) em Santiago do Cacém”, na sequência do encerramento da repartição local, na semana passada, cujas condições degradadas do espaço se agudizaram pelas recentes chuvas.

PATRÃO MAU, EMPRESÁRIO BOM

Os trabalhadores julgam que o patrão trabalha menos horas que eles. O empresário muitas vezes passa mais de metade do dia no seu local de trabalho ou a trabalhar em prol do mesmo. O trabalhador recebe no mínimo em Portugal 557€. O empresário com salário + subsidio de alimentação + pagamentos à segurança social + seguro de trabalho paga no mínimo à volta de 850€/mês por trabalhador. O trabalhador recebe, justamente, o salário todos os meses. O empresário num mês mau com um cash flow reduzido não pode falhar com as suas obrigações salariais e de despesas correntes.

A (IN)SUSTENTABILIDADE DA SEGURANÇA SOCIAL

Fez sensivelmente um ano em que eu assistia num Congresso sobre Ensino Superior no Interior a uma apresentação da Sra. Reitora da Universidade de Évora, Prof. Doutora Ana Costa Freitas. Recordo-me que a Mesma salientou como bom exemplo uma reforma educacional num País Nórdico em que depois de se ouvirem todas as partes envolvidas e interessadas, a reforma foi aprovada com a condição de que essa mesma legislação só pudesse ser novamente aberta a discussão 10 anos depois, independentemente do Partido que estivesse no Poder durante esse período.

Em colapso

Actualmente existem três sistemas informáticos em colapso: justiça, saúde e segurança social.

Três sistemas em áreas fundamentais e onde este tipo de falhas pode originar (como já originou) erros graves e atrasos indesculpáveis.

Estamos a falar de atrasos na justiça em processos urgentes, de doentes urgentes que deixam de ser atendidos no devido tempo e de utentes que deixam de ter uma resposta em tempo útil a pedidos de apoios sociais que lhes são devidos.