Está aqui

Seca

Arroz do Vale do Sado perde 1500 hectares devido à seca

Os produtores de arroz do Vale do Sado, no Alentejo, contabilizam, este ano, 20% de perdas em relação à campanha de 2021, com uma redução da área de cultivo na ordem dos 1 500 hectares devido à seca.

Em declarações à agência Lusa, João Reis Mendes, presidente do Agrupamento de Produtores de Arroz do Vale do Sado (APARROZ), afirma que, a nível nacional, a área cultivada de arroz diminuiu “cerca de 2 000 hectares” em relação à campanha anterior, sendo que, destes, “1 500 hectares são no Litoral Alentejano”.

Seca afeta produção de cereais em Beja

A produção de cereais no distrito de Beja foi muito afetada pela seca este ano, tendo registado quebras “acima dos 50%”, de acordo com os presidentes de uma cooperativa e de uma associação de agricultores.

Fernando Rosário, presidente da Cooperativa Agrícola de Beja e Brinches (CABB), disse à Lusa que este “foi um ano mau” para os cereais na área de influência da entidade, que abrange sobretudo os municípios alentejanos de Beja e Serpa.

Ourique quase sem água

Em Ourique, o nível de água da barragem Monte da Rocha está abaixo dos 15%, o que obriga a uma gestão que tem o consumo público como prioridade, avança a SIC Notícias.

Marcelo Guerreiro, presidente da Câmara Municipal de Ourique, afirma que é urgente ligar a barragem do Monte da Rocha à do Alqueva, sobretudo porque, nos últimos cinco anos, a seca na região tem sido prolongada.

Segundo o autarca, “são cinco concelhos que têm abastecimento público a partir da barragem do Monte da Rocha, o que é naturalmente preocupante”.

Seca melhorou no distrito de Beja mas há “prejuízos irrecuperáveis”

A situação de seca “melhorou um pouco” no distrito de Beja com as chuvas registadas no início da primavera, mas os prejuízos provocados antes são “irrecuperáveis”, disse Rui Garrido, presidente da ACOS – Associação de Agricultores do Sul.

Em declarações à agência Lusa, o responsável adiantou que “é evidente que melhorou um pouco. Há mesmo zonas, no sul do distrito de Beja, com solos mais fracos, em que estas chuvas provocaram logo escorrimentos e encheram pequenas charcas e barragens utilizadas para o abeberamento do gado”.

Abertura ao mar da Lagoa de Santo André não se realiza este ano

A operação de abertura ao mar da Lagoa de Santo André, no concelho de Santiago do Cacém, não se vai realizar este ano devido à situação de seca extrema, revelam a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF).

Em comunicado, citado pela agência Lusa, as entidades indicaram que a operação, que permite, anualmente, ligar a lagoa ao mar, não se realiza este ano por causa da “situação de seca extrema, que afeta em particular o sul de Portugal”.

Feira do Porco Alentejano de Ourique debate impactos da seca

A Feira do Porco Alentejano, que se irá realizar em Ourique de 25 a 27 de março de 2022, conta com uma programação técnica em que serão debatidos os impactos das alterações climáticas no território, os ecossistemas de montado, e o desenvolvimento das atividades agroalimentares, com destaque para o porco alentejano, “importante pilar da economia nacional e da afirmação de Ourique como Capital do Porco Alentejano”.

Municípios do Baixo Alentejo querem minimizar efeitos da seca

O presidente da Comunidade Intermunicipal do Baixo Alentejo (CIMBAL) revelou que os municípios estão disponíveis para colaborarem na adoção de medidas que permitam “minimizar o uso da água, nomeadamente na rega de jardins e espaços verdes, lavagem de ruas, entre outras”.

A informação foi avançada à Rádio Pax, aquando da reunião da Sub-Comissão Regional da Zona Sul da Comissão de Gestão de Albufeiras, realizada na semana passada, onde foi abordado o problema da seca.

Seca: “Podem contar com a solidariedade das instituições europeias”, garante Carlos Zorrinho

Serão debatidas na próxima segunda-feira, no Conselho de Ministros Europeu da Agricultura e Pescas, medidas concretas de mitigação dos impactos da seca em Portugal e Espanha, designadamente nas atividades pecuárias e agroalimentares.

Portalegre: “Sem Água a Vida É uma Seca”

Um livro escrito pelos alunos do ensino básico do distrito de Portalegre vai ser apresentado dia 14 de fevereiro, no Centro de Artes do Espetáculo de Portalegre, pelas 11h.

“Sem Água a Vida É uma Seca” surge pela mão de 666 alunos, dos 3.º e 4.º anos do ensino básico, dos 15 concelhos que integram a sub-região do Alto Alentejo, que juntos escreveram e ilustraram esta obra, coordenada pela Comunidade Intermunicipal do Alto Alentejo (CIMAA) e pela “Fábrica de Histórias”, um programa inovador de promoção do sucesso escolar, desenvolvido pela organização “Cabeçudos”.

Autarca de Almodôvar defende barragem na ribeira de Oeiras

O presidente da Câmara de Almodôvar, António Bota, defendeu a construção de uma barragem na ribeira de Oeiras, que atravessa o concelho, para combater a seca e garantir o abastecimento público em três municípios.

Em declarações à agência Lusa, o autarca considerou que a barragem tiraria partido do troço da ribeira de Oeiras, um afluente do rio Guadiana, que passa na zona da herdade da Camacha, entre as estradas nacionais 2 e 237.

Páginas