Está aqui

NATO

Exercício da NATO em Beja foi adiado

Estava previsto realizar de 10 a 22 de maio, em Beja, o exercício “Tiger Meet” com militares da NATO. Devido à atual situação de pandemia Covid-19, o mesmo foi adiado para julho de 2020.

A Base aérea alentejana iria receber cerca de três mil militares, 100 aeronaves de 20 esquadras.

Esta era a 56ª edição do NATO "Tiger Meet", o maior encontro mundial de Esquadras de voo Tigres.

Quando se realizar, em julho, será a terceira vez em Beja, e pela quarta em Portugal, numa organização da Esquadra 301-Jaguares, da base aérea 5, em Monte Real.

Festival de jatos de guerra da NATO "rasga" céus de Beja e espera 100 mil espetadores

Beja vai receber em maio um festival aéreo que conta com mais de 100 jatos de guerra e 3000 militares de 16 países aliados, com uma previsão de 100 mil espetadores, a 17 de maio. Falamos do Nato Tiger Meet de 2020, que celebra ao mesmo tempo 0 68º aniversário da Força Aérea Portuguesa.

Tigres de todo o mundo vão voar em Beja

De 10 e 22 de maio, Beja vai ser a casa da 56ª edição do NATO "Tiger Meet", o maior encontro mundial de Esquadras de voo Tigres.

Na base aérea 11, são esperados cerca de três mil militares e 100 aeronaves de 20 esquadras, numa iniciativa que se realiza pela terceira vez em Beja, e pela quarta em Portugal, numa organização da Esquadra 301-Jaguares, da base aérea 5, em Monte Real.

Estarão representados 14 países, 12 da NATO e dois convidados: a Suíça e a Áustria.

Tropas Aliadas preparam guerra em Vendas Novas

Decorre já o maior exercício anual pelo Exército português, o ORION 19 e que envolve 7 países da NATO, num total de 1300 militares e 180 viaturas.

Os exercícios decorrem desde dia 19 e estender-se-ão até ao final do mês, sendo realizadas operações militares no concelho de Vendas Novas, além de Abrantes e Santa Margarida.

Beja é base de cenário de guerra da NATO

“Si vis pacem, para bellum” é um provérbio romano (em latim), que pode ser traduzido como "se quer paz, prepare-se para a guerra” e é isso que vai juntar as várias vertentes militares de vários países da NATO, em Beja.

TRUMP – Da incredulidade ao pessimismo

Não gosto de Donald Trump. Nunca me identifiquei com a sua forma de estar e com o estilo que cultivou, muito antes da sua entrada na vida política.

Quando se tornou candidato republicano à Presidência dos Estados Unidos, fiquei surpreendido, pensando que se tratava de mais um episódio caricato, semelhante ao exemplo vindo do Brasil, quando o célebre humorista Tiririca se propôs a ser deputado federal por São Paulo em 2010. Ou seja, não era para levar a sério. Ou, para engano meu, talvez fosse.

O arrancar de mais uma Guerra

Este fim-de-semana o Mundo acordou com a notícia do ataque coordenado dos EUA, do Reino Unido e de França na Síria, sendo este ataque apresentado como resposta ao ataque com armas químicas que foi ordenado por Bashar Al Asad e vitimou centenas de inocentes.

Muitas vozes já vieram afirmar e com alguma razão, que por detrás deste ataque está uma tentativa de fazer frente à Rússia na questão do Médio Oriente.

Em tempos falei nestas crónicas do perigo que seria ter Donald Trump a coordenar operações militares.

DE VENDAS NOVAS PARA O AFEGANISTÃO

Será de Vendas Novas -  do Regimento de Artilharia n.º 5 - que sairá uma equipa de 20 militares instrutores que irá ministrar formação ao exército afegão, no segundo semestre deste ano.

Envolvidos numa missão da NATO – juntamente com mais 39 países - a equipa do exército português será multidisciplinar e contará com elementos do centro de tropas especiais.

ALENTEJO É CENÁRIO DE GUERRA

Voltou ao Alentejo o cenário de guerra que envolve o Orion’17, o maior exercício militar realizado, anualmente, em Portugal.

Pela mão das Forças Armadas portuguesas, serão cerca de 1600 militares portugueses e 350 de Espanha e Estados Unidos os envolvidos nos exercícios que decorrem no Baixo Alentejo.

Se ouvir tiros ou quando olhar ao céu e vir 400 paraquedistas a descer não se assuste, pois a invasão não é real.

O objetivo dos exercícios é só um: certificar a Brigada de Reação Rápida para operar em ambiente multinacional, da Aliança Atlântica.

BEJA: ALIANÇA ATLÂNTICA COM EXERCÍCIO MILITAR DE GRANDE ESCALA

São mais de 2000 os militares que participam na operação Orion'17, o maior exercício militar anual do exército português e que envolve unidades militares espanholas e norte-americanas com o intuito de certificar a Brigada de Reação Rápida para operar em ambiente multinacional, no âmbito das missões da Aliança Atlântica.

O exercício decorre até 18 de junho e o comando está entregue ao tenente-general português Faria Menezes.

Páginas