Está aqui

António Costa da Silva

O PS quer ser o "dono disto tudo"

Com a eleição dos presidentes das CCDRs, o PS vai querer ser o dono disto tudo.

Inicialmente o Grupo Parlamentar do PSD entregou uma apreciação parlamentar do Decreto-Lei, de 17 de junho, que altera a orgânica das Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR). O PSD considerava que esta proposta carecia de explicação do Governo a “alegada democraticidade que sustenta a iniciativa”, nomeadamente que “a eleição em detrimento da nomeação dê depois lugar a uma possibilidade de destituição”, parecendo “ignorar as virtudes” da presumível democraticidade.

Sucata da CP - um excelente negócio

Recentemente o Ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos anunciou em um negócio espetacular efetuado pela CP, de copra de 51 carruagens usadas e que vão ser reabilitadas nas oficinas de Guifões, as quais foram compradas por 1,65 milhões de euros, o preço aproximado de duas carruagens novas.. Segundo o governante, com um investimento substancialmente inferior, a CP conseguirá reforçar mais rapidamente o seu parque com carruagens mais modernas.

Covid-19: Estragaram tudo e em pouco tempo

O País viveu cerca de mês e meio em estado de emergência, seguidos de dois meses em estado de calamidade. Será que os resultados são bons? Já estamos a entrar no verão, o qual trás associado o período de gozo de férias e a época de visita de muitos turísticas, a vinda dos nossos emigrantes, mas também a abertura de fronteiras. Será que estamos preparados para esta nova e diferente etapa?

Sem saudades de Mário Centeno

Não vou ter quaisquer saudades de Mário Centeno. Já tenho pouca pachorra para o politicamente correto, para os elogios bacocos a muitos dos adorados do povo, mas sobretudo utilizar palavras e frases que agradam a todos.

Vou tentar explicar de uma forma resumida porque é que considero que Mário Centeno foi um mau Ministro das Finanças:

Será que aprendemos alguma coisa com esta crise?

Parece-me que este é o momento adequado para colocar as seguintes questões: afinal o que é que aprendemos com esta crise? Será que o modelo de sociedade que fomos criando ao longo dos tempos é o mais adequado? Terá alguma sustentabilidade uma sociedade que tem como base o consumismo? Será que vamos ter que continuar a viver da mesma maneira? Será que se for encontrada uma vacina ou uma cura eficaz para o COVID 19 volta tudo ao mesmo?

Maldita propaganda - não há passageiros na linha Évora-Caia

Não vai haver transporte de passageiros na Linha de Comboios Évora – Caia

A maldita propaganda!

Apesar de muitas declarações de vários governantes terem garantido que a Linha de Comboio Évora – Caia, para além do transporte de mercadorias, seria utilizada para transporte de passageiros, tivemos a confirmação nos últimos dias que tal não acontecerá.

O poder do Estado cada vez mais dominante

Para quem como eu prefere menos Estado, mas melhor Estado, começa a ficar assustado com o evoluir da situação. Com a crise provocada pelo COVID 19 o poder do Estado aumentou brutalmente. Se já vivíamos num Estado omnipresente e omnipotente, então a situação ainda se tornou pior.

Covid-19: afinal qual é o plano para Portugal?

Começo a ter a forte sensação que não existem quaisquer Planos para se ultrapassar o COVID 19, muito menos para dar uma resposta minimalista sobre quais os passos que se seguem! Não existem quaisquer Planos para o dia em que se vai ter que retomar a atividade económica. Cada dia que passa, parece que tudo fica igual. Os dados apresentados são estatísticos, reportados com a frieza dos números que suportam uma evolução lenta de uma crise duradoura. Sem fim à vista!

É urgente tratar da crise económica

TEMOS QUE COMEÇAR A TRATAR IMEDIATAMENTE DA CRISE ECONÓMICA

Como é evidente, no momento atual, os nossos esforços devem estar fortemente concentrados no combate à epidemia provocada pelo COVID 19. Fazer tudo o que tiver que ser feito para que o SNS – Sistema Nacional de Saúde possa dar a melhor resposta possível, deve ser a grande prioridade. Sobre isso não podem existir quaisquer dúvidas.

Simplificando, o combate à doença deve ser o foco das nossas atenções, procurando evitar que morram o mínimo de pessoas que for possível. Gaste-se o que se gastar!

Combate ao Coranavírus, exige-se um esforço coletivo

Parece-me inevitável voltarmos ao tema da Pandemia provocada pelo COVID 19 (Coronavírus). Todos os outros temas do dia a dia dos portugueses (e europeus) passaram completamente para plano secundário. A discussões muitas vezes estéreis em volta do futebol, as discussões ideológicas e até mesmo dos temas políticos contemporâneos, passaram a não-temas. As nossas vidas passaram a estar centradas no combate a esta crise epidemiológica. Deixou de ser um problema individual/egoísta para ser um problema de resolução coletiva.

Páginas