8 Janeiro 2015      00:00

Está aqui

Poeiras das Estrelas

O Homem desde os primórdios que procura dar respostas ao mundo que o rodeia, nomeadamente no que se refere ao porquê das coisas.

Demócrito foi um desses pensadores que há 2500 anos arranjou uma forma (modelo) para explicar o mundo que o rodeava – postulou sobre a constituição da matéria e o facto desta ser constituída por pequenas partículas indivisíveis a que chamou de átomos. Sabe-se hoje que, o modelo de átomo de Demócrito, nada tem a ver com o modelo actual de átomo. Contudo, manteve-se a "ideia" de que tudo é constituído por átomos.

Para os mais cépticos podemos até fingir e deste modo acreditar que tudo é constituído por esses pequenos corpúsculos! Mas afinal, onde são criados esses átomos que constituem tudo o que nos rodeia, incluindo nós?

A resposta encontra-se (numa primeira fase) no Big Bang (que originou aproximadamente de 25 % de átomos de hélio e 75 % de hidrogénio) e posteriormente nas estrelas que os converteu/continua a converter nos restantes elementos que constituem a tabela periódica.

As estrelas são gigantescas fábricas de átomos onde a partir dos mais simples (hidrogénio – H) se obtém os mais pesados (hélio – He, depois o Lítio – Li, hélio – He, …) através de reacções denominadas de fusão.

 

Numa primeira fase, o hidrogénio é convertido em hélio, depois o hélio é transformado em carbono, com outros elementos produzidos pelo meio (ver tabela periódica) e assim sucessivamente com a produção de elementos cada vez mais pesados…

A proliferação da diversidade de átomos pelo Universo está associada às várias etapas segundo a qual as estrelas passam, isto é, também elas nascem, crescem e morrem!

Uma estrela como o nosso Sol encontra-se sensivelmente a meio da sua vida (cinco mil milhões de anos), e está essencialmente a produzir hélio. Contudo, na Terra há elementos mais pesados, como o ferro ou o cálcio, que fazem parte da nossa constituição. Assim, onde foram eles criados visto que o nosso Sol ainda não os produziu (nem vai produzir!)?

A resposta está nas estrelas mais maciças do que o Sol (com dimensões dez vezes superior), que dispersaram pelo nosso meio interestelar a sua matéria, através de explosões violentíssimas (designadas por supernovas)! Deste modo, podemos então concluir que somos “poeiras” ou “cinzas” de uma estrela que explodiu num passado muito distante! 

CAPTCHA
Image CAPTCHA
Escreva o caracteres que vê na imagem do lado direito.