9 Novembro 2015      01:13

Está aqui

OS ESTADOS UNIDOS VÃO A VOTOS

De ontem, domingo 8 de novembro, a precisamente um ano, milhões de americanos vão às urnas escolher o sucessor de Barack Obama - impedido de se candidatar a um terceiro mandato devido à 22ª emenda, que limita os mandatos dos Presidentes norte-americanos. Também há precisamente um ano, o Tribuna Alentejo fazia uma previsão de quem seriam os candidatos à nomeação para concorrer a presidente quer do Partido Republicano, quer do Partido Democrata. Apesar de na altura termos assumido o risco e termos dito: “É impossível fazer previsões com 100% certeza, pois em novembro de 2006 poucos apostariam no Senador Barack Obama para vencer as eleições em 2008” decidimos arriscar.

Em seguida, apresentamos uma lista das previsões acertadas, daquelas que foram ao lado e daquilo que não previmos.

 

Previsões acertadas

- Partido Democrata:

 

Hillary Clinton anunciou há muito a sua esperada candidatura.

De 68 anos, conta com o apoio do marido, o ex-presidente Bill Clinton.

Foi Senadora por Nova Iorque e em 2008 falhou a nomeação para candidata presidencial, precisamente em detrimento de Barack Obama de quem viria a ser Secretária de Estado no primeiro mandato.

Dois escândalos do tempo em que era Secretária de Estado têm assolado a sua candidatura. Num deles Hillary terá alegadamente usado o seu endereço pessoal para tratar assuntos de Estado sem os ter reencaminhado para arquivo. O outro é relativo aos ataques a Bengazhi a 11 de setembro de 20012, onde militantes Islâmicos atacaram o consulado americano nessa cidade Líbia matando dois americanos, entre eles o embaixador J. Christopher Stevens, o primeiro a ser morto em serviço desde 1979. Os republicanos culpam a administração Obama, em especial a secretária de Estado Hillary Clinton (que era quem tinha a pasta) por nada ter feito para impedir estes ataques. Enfrentou recentemente um comité senatorial sobre o chamado caso Bengazhi onde segundo os analistas terá saído reforçada. Lidera com considerável vantagem as sondagens do Partido Democrata.

“Hillary for America” é o seu slogan.

 

- Partido Republicano:

 

Chris Christie é o Governador de Nova Jérsia (New Jersey); de 53 anos e era há muito apontado como um dos possíveis candidatos à nomeação pelo Partido Republicano. Em junho de 2015 colocou fim a meses de especulação anunciando a sua candidatura à nomeação para as Presidenciais 2016 pelo Partido Republicano.

O seu slogan é “Telling it like it is”.

 

O Governador do Texas, Rick Perry, tentou pela segunda vez consecutiva a nomeação do seu partido a candidato presidencial. Após ter perdido a corrida em 2011 para Mitt Romney, voltou a não o conseguir, uma vez que desistiu da corrida no passado dia 11 de agosto.

Usava o slogan “Rick Perry for President 2016”.

 

Jebb Bush - filho do Ex-Presidente George Bush e irmão do também ex-Presidente George W. Bush - era apontado por muitos como o principal favorito à nomeação republicana para a corrida presidencial em 2016.

Durante meses alimentou a especulação sobre se iria ou não participar disputa dando respostas ambíguas à imprensa, mas portando-se cada vez mais como candidato presidencial. Exemplo desta última atitude foi a divulgação de todos os emails do tempo em que era governador do Estado da Florida, em pleno contraste ao escândalo que assola Hillary Clinton. Era o favorito à nomeação, mas não tem conseguido subir nas sondagens andando os seus números atualmente por volta dos 10%.

Jebb Bush tem 62 anos e tem como slogan “All in For Bush” e também “Jeb Can Fix It”.

 

Mike Huckabee, ex-governador do Arkansas e atualmente com 60 anos, foi outra previsão certeira do Tribuna Alentejo. Mike Huckabee já tinha tentado a nomeação republicana às presidenciais de 2008, tendo perdido para John McCain, o escolhido pelo Partido Republicano para defrontar Barack Obama. É pastor de uma igreja batista sulista.

Usa o slogan “From Hope to Higher Ground”.

 

 

Rand Paul de 52 anos e filho do heterodoxo Ron Paul, foi um dos primeiros a oficializar a sua candidatura à nomeação republicana. Fê-lo em abril de 2015, num hotel em Louisville, a maior cidade do Estado do Kentucky e do qual Rand Paul é senador desde 2011.

Usa o slogan “Defeat the Washington machine. Unleash the American dream”.

 

 

O que previmos e não aconteceu

 

- Partido Democrata:

 

Embora houvesse muitos apelos a uma candidatura de Joe Biden o que é certo é que ela não aconteceu.

Para Biden, 2015 não tem sido um ano fácil, visto ter perdido, a 30 de maio, o seu filho Joseph Robinette "Beau" Biden, com 46 anos, vítima de cancro.

Após meses de especulação anunciou a 21 de outubro em conferência de imprensa, ao lado do Presidente Obama, que não seria candidato invocando, entre outras razões, a morte de seu filho em maio. No entanto avisou que “Embora não seja candidato, não serei silenciado. Tenho intenção de falar claramente e fortemente de forma a influenciar o máximo que consiga sobre como estamos enquanto partido e para onde precisamos de ir enquanto nação”, disse Biden, citado pela CNN.

Com esta desistência as candidaturas de Bernie Sanders e Hillary Clinton não perderam tempo e apressaram-se a tentar garantir para si os apoios de Biden.

 

- Partido Republicano:

Há um ano, colocámos na nossa lista Mitt Romney. Esse colocação não se deveu por ser um candidato provável, mas porque era um desejo de muitos republicanos que voltasse a concorrer. Romney, que já concorreu duas vezes à nomeação republicana - chegou memso a consegui-la em 2012 - era o favorito de muitos. Foi, no entanto, avisando que não tencionava entrar numa terceira corrida fato que noticiamos na altura.

 

Paul Ryan foi o candidato a vice-Presidente que acompanhou Romney na corrida presidencial em 2012.

Tem 45 anos e apesar de não ser ainda candidato muitos preveem que irá ser figura determinante no partido no futuro.

É atualmente o líder do Congresso (onde os Republicanos têm maioria) onde sonha efetivar a maior reforma fiscal desde 1986.

 

 

O que não previmos

 

Bernie Sanders, de 74 anos, é a grande novidade do Partido Democrata nestas eleições.

É Senador pelo Vermont desde 2007, onde fora eleito como independente - apesar de alinhar normalmente com os Democratas no Senado.

Tem sido o grande adversário de Hillary Clinton nestas primárias, chegando inclusive a ultrapassá-la nalgumas sondagens. No entanto, a sua elevada idade, acrescido de algumas posições consideradas radicais -defende por exemplo a legalização da Marijuana em todos os Estados norte-americanos - têm-no impedido de adquirir alguns apoios.

Anunciou formalmente a sua candidatura a 26 de maio, em Burlington, a maior cidade do Estado de Vermont. Na altura disse “Eu não acredito que os homens e mulheres que defenderam a democracia Americana lutaram para criar uma situação onde bilionários controlam o processo político”.

A sua campanha só aceita pequenas doações e tem-se centrado no combate às alterações climáticas, numa reforma de Wall Street e na já referida despenalização da marijuana.

Tem como slogans “A Future To Belive in A Political Revolution is Coming” e também “Nor For Sale”.

 

Martin O'Malley, Governador do Estado de Maryland de 2007 a 2015, é um dos nomes que ainda se mantém na corrida à nomeação pelo Partido Democrata.

O’Malley tem 52 anos e, à semelhança de muitos candidatos, escolheu a cidade mais populosa do seu Estado para anunciar a sua candidatura à nomeação. Fê-lo a 30 de maio passado, na Cidade de Baltimore.

O seu slogan é “Rebuild The American Dream”.

 

Lincoln Chafee de 52 anos, Governador de Rhode Island de 4 de janeiro de 2011 a 6 de janeiro deste ano, foi dos primeiros democratas  -dentro dos que formalizaram a candidatura - a desistir da corrida à nomeação. Anunciou formalmente a sua candidatura a 3 de junho de 2015, mas os fracos resultados das sondagens, e a sua prestação no primeiro debate entre os candidatos democratas, fê-lo ponderar a sua decisão e anunciar a saída da corrida no passado 23 de outubro.

O seu slogan era “Fresh Ideas for America”.

 

 

Lawrence Lessig, um académico de 54 anos, é advogado e um ativista político muito popular nos Estados Unidos. O seu trabalho, neste último ponto, tem como destaque o seu desejo duma reforma do governo através duma Segunda Convenção Constitucional e uma reforma do financiamento das campanhas politicas.

No início de agosto de 2015, anunciou que havia criado uma campanha de angariação de fundos à nomeação pelo Partido Democrata às presidenciais de 2016 e que entraria na corrida se conseguisse angariar 1 milhão de dólares. Conseguiu este objetivo e no dia 6 estava a anunciar formalmente a sua candidatura.

Prometeu inicialmente que se fosse eleito usaria o seu mandato para passar as reformas que propõe, resignando, de seguida, a favor do seu vice-presidente. Recuou com esta proposta em outubro, prometendo cumprir o mandato até ao fim. Anunciou a sua saída da corrida a 2 de novembro passado.

Usava o slogan “Fixing Democracy Can’t Wait”.

 

Jim Webb tem 69 anos e foi Senador pela Virgínia de 2007 a 2013. A 19 de novembro anunciou, através da rede social Youtube, a intenção de concorrer à nomeação presidencial, tendo para isso criado o seu comité exploratório de forma a analisar essa possibilidade.

Anunciou formalmente a sua candidatura a 2 de julho de 2015 e a desistência da corrida a 20 de outubro em favor de uma possível corrida independente. Foi o primeiro democrata dos que efetivaram a sua corrida à nomeação a desistir da mesma.

O seu slogan era “Leadership You Can Trust”.

 

- Partido Republicano:

 

Scott Walker era um dos nomes falados mas, na altura, não apostámos nele, pois tal como referimos antes “Apesar de estes nomes serem apontados na generalidade da imprensa internacional como os mais bem colocados, muitos outros há que ou desejam concorrer ou já anunciaram que irão concorrer.” Inserimos Scott Walker nesta categoria e acertadamente, pois o Governador do Wisconsin, de 48 anos, anunciou que desistia da corrida a 21 de setembro passado.

Usou o slogan “Reform, growth, safety”.

 

Ted Cruz, tal como Scott Walker, era um dos nomes que se falava que podia concorrer à nomeação.

É Senador do Texas desde 2013 e tem atualmente 44 anos. Foi assessor politico do ex-Presidente Geoge W. Bush e foi dos primeiros a entrar na corrida tendo anunciado, em março, na rede social Twitter, que o faria.

Um livro pulicado em junho passado pela HarperCollins sobre Cruz com o título “A Time for Truth: Reigniting the Promise of America” tornou-se rapidamente um bestseller.

É conhecido por ser conservador - revê-se nas posições dos ultra-conservadores do "Boston Tea Party" - o que se reflete no seu slogan: “Courageous Conservatives Reigniting the Promise of America”.

 

Marco Rubio é Senador pela Flórida desde 2011 e foi o principal beneficiado do último debate entre os candidatos que correm à nomeação republicana.

Rubio sofreu um ataque de Bush (Rubio foi em tempos um protegido de Bush) que o acusou de ser o Senador com mais faltas dadas tendo Rubio respondido simplesmente “Você só está a portar-se dessa forma agora porque estamos ambos a concorrer ao mesmo cargo, e alguém o convenceu que lançar-me ataques o vai ajudar”.

Marco Rubio tem 44 anos e usa o slogan “A New American Century”.

 

Ben Carson de 64 anos é um cirurgião aposentado.

Nascido em Detroit, rodeado de pobreza, é um exemplo do chamado "sel-made man2 do sonho americano, já que conseguiu formar-se e ascender na vida. A sua história deu até origem, em 2009, ao telefilme “Gifted Hands: The Ben Carson Story” interpretado por Cuba Gooding Jr.

Anunciou a sua candidatura a 4 de maio e tem sido dos primeiros nas sondagens.

“Heal, Inspire, Revive” é o seu slogan.

 

Carly Fiorina é uma antiga CEO da Hewlett Packard.

Entrou nesta corrida a 4 de maio e, no primeiro debate entre os candidatos republicanos, ficou no segundo grupo - dado o elevado número de candidatos, o debate dividido em dois, tendo por base as sondagens.

Foi a única a brilhar nesse debate tendo a sua campanha ganho um novo impulso a partir de então: deu um salto de 11 pontos nas sondagens, mas viria novamente a perdê-los.

O seu slogan é “New Possibilities, Real Leadership”.

 

 

Rick Santorum, de 57 anos, é outro dos “veteranos” da corrida, uma vez que também tentou a nomeação para as presidenciais em 2012.

Foi senador da Pensilvânia entre 1995 e 2007 e anunciou formalmente a sua candidatura a 27 de maio.

Usa o slogan “Restore the American Dream for hardworking families”.

 

 

George Pataki, com 70 anos, foi governador do Estado de Nova Iorque, entre 1995 e 2006. Já antes, em 2008 e 2012, era um dos nomes apontados como possíveis candidatos, mas esta é a sua primeira vez.

Usa o slogan “People over politics”.

 

Lindsey Graham é senador da Carolina do Sul desde 2003.

Usou o curioso método de anunciar que entrava na corrida: primeiro de modo informal e só depois de modo formal, o que aconteceu a 1 de junho. Graham tem 60 anos e usa como slogan “Ready To Be Commander-in-Chief On Day One”

 

 

Donald Trump tem sido a grande surpresa destas eleições e, para já, o principal dinamizador da campanha devido às suas polémicas declarações e opiniões.

Controverso e critico feroz de Obama, anunciou no primeiro debate entre os candidatos à corrida republicana que poderá concorrer à presidência mesmo sem o apoio do partido, isto é, como independente.

Tem como grande trunfo o facto de dizer que está a pagar ele próprio a sua campanha e por isso não ter de defender interesses de doadores. Apesar de liderar as sondagens entre os republicanos, muitos especialistas não apostam nele para garantir a nomeação, e essa aposta não se prende tanto com as suas declarações polémicas. Segundo alguns analistas, Trump já tingiu o máximo de apoio ou está perto desse máximo e à medida que candidatos republicanos forem desistindo, esses votos não irão para Trump e sim para os outros candidatos mais moderados, facto que já aconteceu várias vezes no passado nas primárias para as presidenciais americanas. Tem como slogan “Make America Great Again”.

 

 

Piyush "Bobby" Jindal tem 44 anos e é Governador do Lousiana desde 2008.

Anunciou a sua candidatura a 24 de junho e virou anedota nacional num vídeo em câmara oculta, colocada pelo próprio, onde aparece a informar os filhos da sua decisão, tendo estes rejeitado liminarmente a decisão do pai. Jon Steward no célebre programa “The Daily Show” chegou a dizer: “Acredito que é um sinal que a sua campanha está crise quando não consegue sequer convencer a sua família mais próxima”. O seu slogan é “Tanned, Rested, Ready”.

 

John Kasich, de 53 anos, é o atual Governador do Ohio.

Criou, em abril, um comité de angariação de fundos para a sua campanha tendo conseguido mais de 11 milhões de dólares, incluindo 34 contribuições de 100 mil dólares ou mais. Anunciou formalmente a sua candidatura na sua Universidade (Universidade Estadual do Ohio) a 21 de julho. Usa o slogan “Kasich is for us”.

 

 

Jim Gilmore foi governador da Virgínia entre 1998 e 2002. Escolheu a internet para anunciar a sua candidatura tendo postado um vídeo. Esta é a sua segunda corrida à presidência – foi candidato em 2008 e perdeu para John Mccain, o escolhido pelos republicanos para defrontar Obama. O seu slogan é “Gilmore for America”.

 

 

Imagem de capa daqui

CAPTCHA
Image CAPTCHA
Escreva o caracteres que vê na imagem do lado direito.