Está aqui

Propaganda

A GRAVATA AMARELA

Eu desconfio que algo de muito grave se passa, sempre que um âncora de telejornal aparece com uma gravata que não combina com o fato. Quando tal gravata também destoa completamente do cenário, então, eu corro a limpar o bunker, a estocar água e comida.

Brincadeiras exageradas à parte, não podemos mais nos enganar: em televisão, cada segundo do que vai ao ar e cada centímetro do que é visto pelo telespectador são calculados ao detalhe. Nada pode estar fora do lugar. O tipo de experiência porque passamos ao assistirmos à TV é mais exigente do que parece de início.

MENTIRA À LA CARTE

Garantidamente que uma boa parte dos eleitores não acredita nesta democracia e decide não votar pela mesma razão: a mentira é o prato do dia.

Nesta linha de raciocínio, a apatia da população para a política resulta da resposta condicionada que a maioria destes indivíduos desenvolveu face à mentira, à falsidade ideológica, à ocultação de informações que predominam no discurso político e face às publicações enganosas, informações incompletas e tendenciosas difundidas por profissionais da comunicação social através da televisão, rádio e imprensa.

ESTÉTICA

Francamente, o desfile é sofisticado. Os manifestantes usam uniformes limpos e nítidos. E sustentam as suas bandeiras bem alto. Esculturas enormes de cavalos e homens pairam sobre a procissão.

Sãos as filmagens do Dia da Arte em 1939. Uma marcha que celebra a estética nazi.

“O Governo, cuja metade é composta de homens que já aspiraram servir as artes, têm absoluta noção do papel do artista enquanto intermediário”, diz o narrador, citando o famoso autor nazi, o letrado Hans-Friedrich Blunk.